Para economizar, sete jogadores ainda podem deixar o Corinthians

Timão busca vender alguns atletas para diminuir folha salarial do elenco alvinegro. Clube teve deficit de R$ 94,9 mi só no 1° semestre de 2019

Equipe treina sob comando de Tiago Nunes, para disputar a Florida Cup

Equipe treina sob comando de Tiago Nunes, para disputar a Florida Cup

Marco Galvão/Fotoarena/Estadão conteúdo

O Corinthians tem pelo menos sete jogadores no atual elenco que ainda podem ser negociados antes do início das competições. Além do volante Ralf e do meia Jadson, que já foram dispensados pelo técnico Tiago Nunes, o clube busca fazer caixa com atletas que não foram bem na última temporada.

Veja mais: Para manter ofensividade, Tiago Nunes chega e muda o Corinthians

O zagueiro Marllon, o lateral-esquerdo Carlos Augusto, o volante Richard, e os atacantes André Luis e Everaldo não têm presença garantida no Campeonato Paulista. A diretoria tenta negociá-los para reduzir a folha salarial do elenco - a previsão é cortar R$ 60 milhões.

Desses jogadores, Ralf e André Luis têm propostas sendo analisadas pela diretoria. O volante pode ser emprestado para o Cruzeiro. Mas para isso o Corinthians teria de ajudar a pagar parte do salário do jogador. O jogador também pode retornar para o Beijing Guoan, da China, clube onde atuou entre 2016 e 2017.

André Luis recebeu proposta do Daejeon Hana Citizen, clube da segunda divisão da Coreia do Sul. Por isso, a tendência é que o atacante não viaje com o restante do elenco no domingo para os Estados Unidos, onde a equipe disputará a Florida Cup.

Veja mais: Pedrinho é o favorito para assumir a camisa 10 do Corinthians em 2020

Do elenco que terminou a temporada passada, já não estão mais na equipe o zagueiro Manoel, devolvido ao Cruzeiro, o volante Junior Urso, vendido para o Orlando City, e o atacante Clayson, negociado com o Bahia. Em compensação, chegaram três reforços: o atacante Luan, o volante Victor Cantillo e o lateral-esquerdo Sidcley.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Paquetá, Pedro e outros brasileiros 'não decolam' na Europa. Relembre