Futebol Jogador deve abrir mão do máximo de salário para poupar funcionário

Jogador deve abrir mão do máximo de salário para poupar funcionário

Ordem é ter a grandeza de ceder o que puder das fortunas para preservar o ganha-pão de quem rala de fato - mesmo porque daqui a pouco tudo passará

  • Futebol | Eduardo Marini, do R7

Verdão acertou 25% de redução por dois meses e adiamento do direito de imagem

Verdão acertou 25% de redução por dois meses e adiamento do direito de imagem

Divulgação/Palmeiras

A exemplo do que ocorreu recentemente na Europa, os clubes brasileiros estão em fase de definição de acordos com jogadores, funcionários e seus sindicatos para redução temporária de salários e, em alguns casos, adiamento de pagamento dos direitos de imagem, ambos consequências do coronavírus.

Até aqui, um movimento esperado e compreensível. Dos modestos times de clubes sociais dos interiores e rincões aos hoje todo-poderosos Flamengo e Palmeiras, todos estão sofrendo com quedas violentas nas receitas de arrecadação, patrocínio e bilheteria desde a chegada da pandemia ao Brasil. Verdadeiramente todos eles, sem a mais remota e disfarçada exceção.

O Flamengo do presidente Rodolfo Ladim e do vice de futebol Marcos Braz, em tese o primo rico com mais grana no cofre e bala na agulha da atualidade, acaba de fechar com o sindicato dos funcionários um acerto para descontar um quarto (25%) do valor que ultrapassar R$ 4 mil no salário. Quem ganha daí para baixo está livre do abatimento.

Exemplo: de um salário de R$ 5 mil, serão retirados R$ 250, equivalentes a 25% dos R$ 1 mil além do valor de base definido, de R$ 4 mil. Neste caso, o colaborador rubro-negro receberá R$ 4.750 brutos. De um vencimento de R$ 6 mil, serão descontados R$ 500, correspondentes a um quarto, ou 25%, dos R$ 2 mil além da base.

Os abatimentos no Flamengo foram definidos para os salários de maio e junho, a serem pagos em junho e julho, mas poderão ser prorrogados se os efeitos da pandemia se alongarem. O clube possui cerca de mil funcionários na sede da Gávea e nos centros de treinamento do Ninho do Urubu. A negociação para os descontos no alegrete dos jogadores rubro-negros ainda não foi fechada. A diretoria espera definir o assunto até a próxima terça-feira (5).

Tudo caminha no rubro-negro para um acordo semelhante ao fechado no Palmeiras. O Verdão acertou com o elenco uma redução de 25% nos salários em carteira de maio e junho de todo o departamento de futebol, incluindo o técnico Vanderlei Luxemburgo. E também o adiamento do pagamento dos direitos de imagem de abril e maio. Os primeiros serão divididos entre setembro e dezembro de 2020 e os segundos, de janeiro a junho de 2021.
  
Os entendimentos para o corte temporário de parte dos salários por causa da epidemia de coronavírus são realidade em praticamente todos os clubes de todas as séries do país. O Cruzeiro, rebaixado para a Série B, também definiu os abatimentos em 25%. Botafogo e Atlético-GO prometeram pagar integralmente os salários até abril e deverão anunciar seus acordos em breve.

Amparado pela gigante Red Bull, o Bragantino é um dos poucos ainda resistentes à ideia dos descontos. Seus dirigentes tentarão compensar a diminuição de receita em outros pontos, como a economia na contratação de atletas, que no ano passado consumiu respeitáveis R$ 84 milhões.

Fla de Landim e Braz: crítica por demitir 62 na véspera do Dia do Trabalhador

Fla de Landim e Braz: crítica por demitir 62 na véspera do Dia do Trabalhador

Alexandre Vidal/CRF

É fundamental que clubes e jogadores entendam a situação com grandeza e, acima de tudo, compromisso social. Atletas remunerados com fortunas precisam compreender a necessidade imperiosa de serem nobres no momento, cedendo o máximo possível de seus ganhos para preservar o emprego e a qualidade de vida de funcionários que, estes sim, em maioria passam aperto contando dinheiro para pagar as contas no dia-a-dia, como qualquer trabalhador.

Se for aplicado um desconto de R$ 25% sobre um salário de R$ 100 mil de um jogador, por exemplo, ele deixará de receber 25 mil nos dois meses. Esse valor é o mesmo do que seria descontado de cem funcionários que recebem mensalmente os R$ 5 mil do exemplo anterior. Isso: cem. O mesmo percentual sobre um de R$ 500 mil geraria uma economia de R$ 125 mil para o clube, equivalente a nada menos do que 500 descontos dos mesmos R$ 250.

Vamos a outro exercício. Se cada jogador topasse ceder 30%, em vez de 25%, nesses dois meses, o com salário de R$ 100 mil deixaria R$ 30 mil e o que ganha R$ 500 mil, o total de R$ 150 mil.

No primeiro caso, com R$ 5 mil a mais, daria para compensar e deixar de descontar R$ 250 de vinte salários de R$ 5 mil. No segundo, o acréscimo de R$ 30 mil dos 5% a mais do vencimento de um único jogador permitiria cobrir o valor do corte em nada menos do que 120 funcionários com salário de R$ 5 mil.

Sabe-se que é tarefa difícil encontrar boleiro em grande clube brasileiro que ganhe “apenas” R$ 100 mil. Por outro lado, achar os com salário acima de R$ 500 mil é bem menos raro do que deveria ser. Não bastasse, não será nada definitivo: daqui a pouco tudo voltará ao normal, inclusive o encaixe da boleirada.

Esses exemplos hipotéticos foram criados para mostrar o seguinte: nessa estrutura tão desigual dos clubes brasileiros, jogadores e dirigentes precisam ceder ao máximo para que os cofres sejam equilibrados com o mínimo de sofrimento dos trabalhador efetivo desse triângulo: o funcionário.

Na quinta-feira (30), véspera do Dia Internacional do Trabalhador, o Flamengo demitiu 62 funcionários, entre eles técnicos das divisões de base, pessoal de administração e logística e roupeiros. A decisão foi mal recebida até em setores do clube, que no ano passado gastou mais de R$ 20 milhões mensais em salários, direitos de imagem, bônus e prêmios com o departamento de futebol, R$ 8,8 milhões deles em carteira assinada.

Cada demitido, informa o jornalista Mauro Cezar Pereira em sua coluna, recebia em média os mesmos R$ 5 mil do nosso exemplo principal. Com todos os encargos, o custo dos 62 ficava em R$ 600 mil. No elenco profissional, pelo menos quatro jogadores ganham mais do que isso só na carteira. Direitos de imagem, bônus e prêmios à parte.

Não é nem o caso de discutir se é exagero notório o fato de o Flamengo ter cerca mil funcionários. Até parece evidente que sim, fato que, por sinal, certamente ocorre em todos os outros clubes, fruto da política de inchaços e compadrios típica do futebol brasileiro, um problema que certamente merece correção.

O erro, no caso, é elementar: não poderia haver momento mais inoportuno e cruel para essas demissões. Até pelos valores envolvidos, fica claro que clube não precisava tomar essa atitude justamente agora, em meio a uma pandemia que se transformou num drama nacional e mundial. Há a informação de que o corte comoveu também os jogadores. Simples: é só ceder mais um pouco das fortunas mensais e negociar, em troca, algum tipo de compensação para os dispensados.

Neste Dia Internacional dos Trabalhadores, e neste olho do furacão, que cartolas e jogadores coloquem a mão na cabeça e tenham grandeza suficiente para preservar os verdadeiros agentes que sofrem para pagar boletos dessa história: os funcionários assalariados.

Símbolo do Fluminense lidera como mais bonito do mundo, diz pesquisa

Últimas