Futebol Janela europeia de transferências já movimenta R$ 1 bilhão e pode bater recorde

Janela europeia de transferências já movimenta R$ 1 bilhão e pode bater recorde

A janela de transferências do futebol europeu só vai abrir daqui quase três meses, mas já movimentou quase R$ 1 bilhão antecipadamente. Três negócios já fechados indicam que os valores movimentados entre os clubes devem bater recordes a partir de julho.

O Real Madrid, por exemplo, já contratou o lateral-direito brasileiro Éder Militão por 50 milhões de euros (cerca de R$ 215 milhões). O Bayern de Munique fechou a contratação mais cara da história do futebol alemão ao pagar 80 milhões de euros (cerca de R$ 354 milhões) ao Atlético de Madrid, da Espanha, pelo lateral-esquerdo francês Lucas Hernandéz.

Já o Barcelona anunciou a contratação do meio-campista Frenkie de Jong, do Ajax, por 75 milhões de euros (cerca de R$ 325 milhões). Somando essas transações, o valor se aproxima de R$ 1 bilhão.

Empresários ligados ao futebol ouvidos pelo Estado apostam que a tendência é que os negócios vão se intensificar nos próximos dias. "Eu mesmo estou tratando de algumas negociações porque os clubes não esperam a janela abrir para começar as conversas. Pelo menos 85% dos negócios já estão amarrados, só esperando a abertura da janela. São raros os casos em que você começa e termina um negócio dentro da janela", disse Jorge Machado. No ano passado, ele intermediou a venda do volante Arthur, do Grêmio, para o Barcelona por 30 milhões de euros (R$ 130 milhões na cotação atual). Foi a maior negociação da história do futebol gaúcho e a quinta do Brasil.

Wagner Ribeiro também vê a janela de transferências bastante aquecida. "O Real Madrid vai gastar muito. Não ganhou nada nesta temporada e vai mexer com o mercado", apostou o empresário, que intermediou as transferências do Brasil para a Europa de craques como Robinho, Kaká e Neymar.

Para Ribeiro, são grandes as chances de o recorde de 222 milhões de euros (R$ 962 milhões na cotação atual) pagos pelo Paris Saint-Germain por Neymar em 2017 ser quebrado na próxima janela. "Os clubes hoje têm um receita muito maior do que antes. A televisão cada vez paga mais, as marcas esportivas pagam absurdamente bem para estampar suas marcas, sem contar os patrocinadores", disse.

Jorge Machado também não vê limites nos valores a serem pagos pelos clubes. "Se um clube fatura R$ 800 milhões, quanto o jogador, que é o artista principal, tem de ganhar? Na época do Barcelona, o Rivaldo ganhava 50 mil euros para usar um chuteira. Hoje, tem jogar que ganha 3 milhões de euros para usar uma determinada marca de chuteira.

Confira os valores pagos nas janelas de transferências (em dólares):

2011 - US$ 1,30 bilhão

2012 - US$ 1,24 bilhão

2013 - US$ 2,01 bilhões

2014 - US$ 2,34 bilhões

2015 - US$ 2,59 bilhões

2016 - US$ 2,79 bilhões

2017 - US$ 3,95 bilhões

2018 - US$ 4,21 bilhões