Futebol Infectologista explica riscos aos jogadores no retorno do futebol

Infectologista explica riscos aos jogadores no retorno do futebol

Segundo ele, contato físico indireto, não pelo suor, mas pelas vias respiratórias, existe e faz com que o atleta corra o risco de contrair o vírus

Agência Estado - Esportes
Geromel e Maicon participam de doação

Geromel e Maicon participam de doação

Max Peixoto/Agência Estado/22-04-20

O futebol brasileiro ensaia, como em alguns países da Europa, dar seus primeiros passos após quase dois meses de suspensão das competições nacionais por conta da pandemia do novo coronavírus. Goiás e Atlético Goianiense confirmaram que irão restabelecer a rotina de treinos presenciais a partir do início de maio. Mas será que é seguro já retornar aos treinamentos? A reportagem conversou com Renato Grinbaum, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), a respeito dos riscos que os atletas estão expostos a correr com a volta das atividades.

Leia mais: 'Rotina é fundamental para afastar atletas da depressão', diz psicólogo

"Os problemas que eles enfrentarão não estão diretamente ligados ao esporte. Em primeiro lugar, o contato físico, o suor, em si, não é tão importante, mas, inevitavelmente, num esporte coletivo existe a proximidade. Um jogador está marcando o outro, então existe a possibilidade de uma contaminação respiratória. Até mesmo com as mãos ele pode se infectar. Esse contato físico indireto, não pelo suor, mas pelas vias respiratórias, existe e faz com que o atleta corra o risco de contrair o vírus", explicou Grinbaum.

Para o membro do SBI, a musculação não traz tantos riscos, já que os treinos dos atletas são individualizados, ou seja, não causam aglomeração. Também são mais fáceis de manter a higiene dos equipamentos e o suor não transmite o vírus. Porém, o infectologista faz um alerta para os vestiários, onde os jogadores se reúnem após as sessões de treinamento.

Veja também: Orçamento alto do Flamengo se traduz em títulos para o clube

"O grande problema está na proximidade, na distância entre as pessoas e no cuidado, especialmente, com as maçanetas das portas e com as torneiras. Sempre que possível, o jogador deve manusear a torneira com um papel toalha descartável e tentar, ao máximo, evitar levar a mão a boca após tocar na torneira suja", disse.

Ainda não há previsão para que o futebol retorne no Brasil, mas como o próprio governo federal indicou uma flexibilização do isolamento social, é provável que, em alguns Estados do país, equipes iniciem o retorno de suas rotinas de treinamento. A maioria dos clubes brasileiros deu férias para seus atletas até o final deste mês. Entretanto, existe a possibilidade do prazo ser prorrogado por mais um período. O Brasil conta com mais de 50 mil casos de coronavírus detectado e já são mais de 3 mil mortos.

Memes: falta de futebol deixa internautas 'doentes' de saudades

Últimas