Corinthians precisa aprender a atacar sem ficar exposto

Eliminação para o Guaraní mostrou que é muito mais difícil organizar uma equipe quando os jogadores de armação não têm posição fixa

corinthians, libertadores, atacar, posição

Luan teve dificuldades na armação das jogadas

Luan teve dificuldades na armação das jogadas

André Anselmo/Agência Estado/12-02-20

Não se muda um time da noite para o dia. A chegada de Tiago Nunes ao comando técnico do Corinthians realmente transformou a postura corintiana dentro de campo. Falta, no entanto, dar à equipe um maior padrão de jogo.

Leia mais: Filme repetido! Guaraní perde, mas elimina Corinthians da Libertadores

O ímpeto de atacar é muito importante, mas necessita de treinamento. É muito mais difícil organizar uma equipe quando os jogadores de armação não têm posição fixa.

O posicionamento de Luan no jogo contra o Guaraní, em que o Corinthians foi eliminado da Libertadores, mostrou isso.

É verdade que o time paulista jogou com um a menos desde os 28 do primeiro tempo. Mas a liberdade de ir e vir de Luan o fez recuar excessivamente para buscar jogo. Principalmente no segundo tempo.

E, desde a defesa, ele saía jogando com muita lentidão, prendendo a bola em momentos que tinha de soltá-la.

Outro fator que prejudicou o ritmo do Corinthians foi o fato de Luan levantar muito a bola, abusando dos passes pelo alto, quando a solução era colocá-la no chão.

Neste sentido, até agora, o Corinthians tem sido um esboço da equipe que Tiago Nunes pretende montar, colocado logo cedo em uma decisão.

É natural que o resultado não tenha sido o melhor. As peças têm de ir se encaixando até que a engrenagem funcione a todo vapor.

Para que isso aconteça, é necessário que os jogadores adquiram mais confiança e entrosamento.

Com a volta de Ramiro, deslocado para a meia, e a possibilidade de contar com o atacante Yony González, o time tende a ganhar mais força para implementar as ideias ousadas do treinador.

Porque, como se viu, não basta apenas ter a intenção de atacar, se todo um sistema não estiver organizado para isso.

O Guaraní fez o seu gol por meio de cobrança de falta, mas, na jogada, chegou tocando com facilidade, além de ter criado várias situações que ameaçaram o gol corintiano.

O Corinthians, ao mesmo tempo que mostrou uma nova faceta, chegando ao segundo gol mesmo com 10 jogadores, sentiu falta de um maior poderio defensivo para garantir o resultado com um jogador a menos.

Neste sentido, a filosofia do antecessor Fábio Carille fez alguma falta, justamente em um momento no qual a equipe tem mostrado um louvável pendor ofensivo.

As grandes equipes são aquelas que conseguem fazer com que o futebol não seja visto como um esporte com "cobertor curto", no qual a possibilidade de atacar exclui a de se defender.

São aquelas que, justamente porque jogam com a bola, não deixam o adversário jogar. Telê Santana e Carlos Alberto Parreira, neste sentido, sempre falaram a mesma língua.

Contratado pelo Corinthians, saiba quem é o volante Victor Cantillo