Copa do Mundo Federação Francesa envia carta para argentinos e reclama de provocações feitas na Copa

Federação Francesa envia carta para argentinos e reclama de provocações feitas na Copa

O presidente da FFF elogiou Mbappé e reforçou que os jogadores franceses merecem ser apoiados apesar da derrota na final

  • Copa do Mundo | Do R7

Na final contra a Argentina, Mbappé marcou três gols e acertou o pênalti contra Martínez

Na final contra a Argentina, Mbappé marcou três gols e acertou o pênalti contra Martínez

Montagem R7/ Reprodução

O presidente da Federação Francesa de Futebol (FFF), Noël Le Graet, informou à imprensa francesa, na última quinta-feira (22), que escreveu uma carta para o presidente da Associação do Futebol Argentino (AFA), Claudio Tapia. O motivo da carta são as provocações feita pelos argentinos na comemoração da conquista da Copa do Mundo, após a vitória contra a França.

"Vejo como anormais esses excessos em uma competição esportiva e não consigo compreendê-los. Foram longe demais. O comportamento de Mbappé foi exemplar", disse Le Graet, que também afirmou estar chocado com as provocações aos jogadores franceses.

"São garotos que deram o melhor de si para o sucesso da seleção francesa. É importante que os apoiemos", completou.

Logo após a entrega do troféu, os jogadores argentinos seguiram para o vestiário do estádio Lusail, no Catar. Em um vídeo publicado na internet, o goleiro da Argentina Emiliano Martínez provocou o camisa 10 da França, ao dizer: "Um minuto de silêncio… por Mbappé". Na festa do tricampeonato em Buenos Aires, o arqueiro carregou o boneco de um bebê e cobriu o rosto com a foto do francês, que foi o artilheiro da Copa.

Além das provocações feitas em campo e no vestiário, parte dos torcedores argentinos invadiram as contas nas redes sociais dos jogadores franceses Kingsley Coman, Aurélien Tchouaméni e Randal Kolo Muani para fazer comentários racistas.

A FFF expressou repudiou a atitude e escreveu nas redes sociais que prestariam queixa contra os autores dos comentários. O Bayern de Munique, clube alemão defendido por Coman, condenou o racismo e mostrou apoio ao camisa 11.

O ministro da Economia da França, Bruno Le Maire, também desaprovou a atitude dos argentinos na vitória do Mundial. Em entrevista a uma rádio francesa, ele declarou que as ações da seleção adversária foram "indignas".

“O que a Fifa faz? O esporte é fair-play, é respeitar os demais, respeitar quem perdeu, não acrescentar insulto à decepção”, disse Le Maire.

A Argentina se tornou tricampeã do mundo ao vencer os franceses nos pênaltis. Num jogo eletrizante, as duas seleções terminaram o tempo regular da partida empatadas no 2 a 2. Durante a prorrogação, cada equipe marcou mais um gol, e a decisão foi para os pênaltis. Nas cobranças, os franceses Tchouaméni e Coman erraram os chutes. Com a vantagem de 4 a 2, os argentinos venceram e levantaram o troféu de campeões.

De Argentina campeã ao surpreendente Marrocos: os momentos memoráveis da Copa

Últimas