Campeonato Paulista Atuesta chega para repetir sucesso de colombianos no Palmeiras

Atuesta chega para repetir sucesso de colombianos no Palmeiras

Meia de 24 anos afirma que fez a 'lição de casa', estudou estilo de jogo de Abel Ferreira nas férias e chamou Raphael Veiga de craque

O meio-campista Eduard Atuesta foi apresentado na última quinta-feira (13) na Academia como novo camisa 20 do Palmeiras. O reforço será o 11º jogador colombiano a atuar pelo clube paulista.

Com 24 anos ele chega ao Alviverde depois de sair do Independente Medellín-COL para o Los Angeles FC, dos Estados Unidos. 

Colombiano Atuesta foi apresentado pelo Palmeiras

Colombiano Atuesta foi apresentado pelo Palmeiras

Cesar Greco/Palmeiras (13/01/2022)

“É uma escala acima na carreira, uma oportunidade para fazer história, crescer como jogador e jogar mais torneios. Uma oportunidade de poder ser bicampeão do mundo com esta equipe. Espero que, além de 1951, em 2022 a gente possa conquistar o Mundo mais uma vez“, afirmou.

Para conhecer um pouco mais o estilo de jogo do novo clube, o colombiano pediu para a comissão técnica, durante as férias, os últimos dez  jogos do time comandado por Abel Ferreira.

“Vendo as partidas nos estudos que fiz, o (Raphael) Veiga foi muito importante. E eu, na minha posição, jogando um pouco mais atrás, sempre gosto de complementar bem jogadores assim, autênticos craques, como ele. No Los Angeles era o Carlos Vela que tinha essas características similares“, afirmou.

O novo reforço foi contratado por R$ 20,7 milhões e chega com vínculo até o fim de 2026.

Histórico de colombianos

O primeiro nascido na Colômbia a jogar pelo Verdão foi Freddy Rincón, que em 1993 chegou vindo do América de Cali. No Palestra, conquistou o Paulistão de 94 e logo foi negociado com Napoli, da Itália. O jogador ainda retornaria ao time, mas sem o brilho de antes acabou indo para o rival Corinthians.

Posteriormente, passaram o também meio-campista Harold Lozano, que também chegou do América, mas em 1995, e Asprilla, atacante revelado no Deportivo Cucutá e que acumulava passagens por Newcastle, da Inglaterra, e Parma, da Itália. A equipe italiana era parceira da Parmalat, assim como Palmeiras na época.

Se Lozano ficou apenas dois meses, Asprilla ficou lembrado, entre outras coisas, por ter perdido um pênalti na final da Libertadores de 2000 contra o Boca Juniors, da Argentina. O centroavante, que chegou ao Verdão depois da conquista da maior competição de clubes da América de 1999, teve problemas pessoais e sofreu com lesões. Sem uma sequência de jogos, acabou deixando o time.

Em 2003, o Palmeiras teve o atacante Carlos Castro. O jogador brilhava no Millonarios-COL, mas não se adaptou e voltou para a Colômbia após apenas dois meses.

A partir daí, o Alviverde trouxe três colombianos que caíram no gosto da torcida e que fizeram gols importantes em suas passagens. São eles: o zagueiro Yerry Mina, o lateral-esquerdo Pablo Armero e o atacante Muñoz.

Além deles, passaram sem destaque pelo Palmeiras os atacantes Iván Angulo e Marino Hinestroza.

O último colombiano a vestir a camisa palmeirense antes de Atuesta foi o centroavante Miguel Borja, que brilhou no Atlético Nacional-COL, mas que não repetiu boas atuações no Brasil. Após dois empréstimos, foi vendido ao Junior Barranquilla-COL.

Mercado da bola: confira as negociações do seu clube para 2022

Últimas