Futebol Boca Juniors é punido por racismo contra o Corinthians e estreia sem torcida na Libertadores

Boca Juniors é punido por racismo contra o Corinthians e estreia sem torcida na Libertadores

O segundo maior campeão da América entra em campo no dia 6 de abril, na Venezuela, contra o Monagas

Agência Estado - Esportes
Resumindo a Notícia
  • O Boca Juniors foi punido por episódios de racismo na Libertadores do ano passado.

  • A equipe estreia na Venezuela, diante do Monagas.

  • Torcedores do clube imitaram macacos e reproduziram gestos nazistas contra corintianos.

  • Na fase de grupos, torcedores do Boca chegaram a ser presos em São Paulo.

Torcedor racista do Boca foi detido em jogo contra o Corinthians por atos preconceituosos

Torcedor racista do Boca foi detido em jogo contra o Corinthians por atos preconceituosos

REUTERS/Amanda Perobelli

O Boca Juniors não terá torcida em sua estreia na Copa Libertadores, no dia 6 de abril, na Venezuela, diante do Monagas. O clube argentino foi punido pela Conmebol por atos racistas e xenofóbicos contra a torcida do Corinthians nas oitavas de final da edição passada do campeonato. Torcedores do Boca, reincidentes, imitaram um macaco e ainda fizeram gestos nazistas para os corintianos.

Em 2022, o Boca Juniors e o Corinthians jogaram quatro vezes — caíram na mesma chave na primeira fase — e se cruzaram nas oitavas, com o time paulista levando a melhor nos pênaltis. Ainda pela fase de grupos, torcedores xeneizes foram presos em São Paulo por atos racistas e só foram liberados após o pagamento de fiança. Os gestos discriminatórios se repetiram, e o clube argentino acabou multado em 100 mil dólares (aproximadamente R$ 525 mil na época). O Corinthians queria que eles não tivessem torcida na volta das oitavas.

O pedido não funcionou na época, mas agora a Comissão Disciplinar da Conmebol resolveu proibir os torcedores do time argentino na abertura da atual edição. "O Boca Juniors informa a seus sócios e torcedores em geral que, por uma medida disciplinar da Conmebol, como consequência de incidentes produzidos na partida contra o Corinthians na Libertadores de 2022, não haverá venda de entradas nem ingressos de público visitante na partida que o clube disputará na quinta-feira diante do Monagas, na Venezuela, pela Copa Libertadores", informou o clube.

Muitos xeneizes não gostaram da medida e até sugeriram apoiar o clube como infiltrados, por meio da compra de ingressos da torcida venezuelana. O Boca, temendo novas sanções, pediu que ninguém vá à partida contra o Monagas. "Para evitar possíveis sanções futuras, os torcedores deverão abrir mão de tentar acompanhar a partida [no estádio]", pediu.

Boca Juniors estreia no dia 6 de abril, na Venezuela, contra o Monagas

Boca Juniors estreia no dia 6 de abril, na Venezuela, contra o Monagas

EFE/ Juan Ignacio Roncoroni - 30.03.2023

Desde a edição passada, os dirigentes do clube cobram "educação" nas arquibancadas. Mesmo assim, o racismo foi presenciado mais de uma vez nos jogos da equipe contra o Corinthians, o que obrigou o clube a repetir o pedido.

"O Boca mais uma vez reprova qualquer ato xenófobo que viole os direitos de qualquer grupo e pede cuidado com todos os comportamentos no estádio, em linha com os valores que o clube incentiva para construir a cada dia um clube e um futebol mais inclusivos."

Corintianos são alvos de racismo pela terceira vez diante do Boca: relembre casos contra brasileiros

Últimas