Final da Copa São Paulo vai marcar início da nova fase do Pacaembu

Estádio começa a ser administrado pelo consórcio Allegra, que pretende lucrar também com os serviços em dia de eventos

Copinha será primeiro evento com consórcio que adminitra estádio

Copinha será primeiro evento com consórcio que adminitra estádio

Felipe Rau/Estadão Conteúdo

A partir de sábado, o estádio do Pacaembu deixará de ser administrado pela Prefeitura de São Paulo e ficará sob responsabilidade do consórcio Allegra, que pagou R$ 115 milhões pelo direito de gerir o local pelos próximos 35 anos. Neste dia, será realizada a decisão da Copa São Paulo de Futebol Júnior.

A final é considerada a transição do comando do estádio do poder público para a concessionária. Porém, o torneio é de responsabilidade da Federação Paulista de Futebol e acontecerá nos mesmos moldes dos anos anteriores.

O início da nova gestão começa com a tentativa de entender a demanda dos clubes sem alterar radicalmente o modelo de negócios da concessionária. Quando um clube jogar no Pacaembu, a empresa pretende alugar para ele somente o campo e ficar responsável por toda a infraestrutura, faturando com os serviços no estádio.

A expectativa da Allegra era iniciar os trabalhos de fato no domingo, com o clássico entre Palmeiras e São Paulo pela segunda rodada do Campeonato Paulista. Os diretores da concessionária se reuniram com os palmeirenses, mandantes da partida, nas últimas semanas, mas não houve acordo. Na última quinta-feira, a FPF confirmou que o clássico será em Araraquara, no estádio da Fonte Luminosa.

Ninguém da concessionária nem do Palmeiras comenta detalhes dos encontros. Não houve desavença, tanto que o time alviverde confirmou que mandará no Pacaembu o jogo com o Oeste, dia 29, pela terceira rodada do Estadual.

Santos e São Paulo são as equipes que também devem utilizar o Pacaembu. Por enquanto, segundo o site da FPF, ainda não há nenhuma partida desses clubes programada para o local. A intenção da Allegra, ao alugar o Pacaembu, é manter valores próximos ao que já eram cobrados pela Prefeitura, mas com a exploração dos serviços.

O Palmeiras não aceitou mandar o clássico no Pacaembu porque não abre mão de ganhar também com a venda de comidas e bebidas. A Allegra está disposta a dialogar e não limitar o lucro dos clubes à arrecadação da bilheteria. Ainda não há uma definição de como será o novo modelo de aluguel a ser proposto pela nova concessionária.

Em 2019, o valor máximo de aluguel do estádio era de R$ 80.295 para jogos diurnos, ou 12% da receita bruta - o que fosse menor. Para partidas noturnas, a porcentagem subia para 15% da receita bruta ou um máximo de R$ 100.352. Os valores mínimos eram, respectivamente, de R$ 35.259 e R$ 36.613.

Faturamento em 2019

No ano passado, a Prefeitura arrecadou R$ 1,6 milhão com o aluguel do Pacaembu, segundo levantamento feito pelo Estado, de acordo com o boletim financeiro das partidas. O Palmeiras e o São Paulo mandaram sete jogos cada um no estádio e o Santos, dez partidas. Ou seja, o município recebeu uma média de R$ 69.800 por jogo.

O Palmeiras foi quem mais pagou para jogar no Pacaembu na temporada passada: R$ 671.929,38. Dos sete jogos que fez, em cinco gastou o teto de R$ 100.352. O São Paulo atingiu o teto somente em uma partida, na estreia do Paulistão contra o Mirassol. Pagou no total R$ 413.980,29.

O Santos desembolsou R$ 589.828,37. Por duas vezes atingiu o teto e em uma das ocasiões atuou com portões fechados, pagando o valor mínimo para jogos noturnos de R$ 36.613.

A concessão para a Allegra Pacaembu foi assinada em setembro do ano passado e compreende todas as instalações: o estádio, a piscina, as quadras de tênis, o estacionamento e o ginásio poliesportivo. O Museu do Futebol, que funciona embaixo das arquibancadas, e a Praça Charles Miller ainda serão administrados pelo município.

Em entrevista ao Estado dias após a assinatura da concessão, Eduardo Barella, líder do consórcio, prometeu um salto financeiro. "Nossa expectativa é que, a partir do terceiro ano de uso, o Pacaembu tenha uma receita superior a R$ 100 milhões", comentou na ocasião. Ainda não há uma previsão de quando as obras no estádio devem começar. A expectativa é que o novo Pacaembu seja inaugurado em julho de 2022.

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.