Esportes Esgrimista Guilherme Toldo fala sobre a pressão de disputar uma Olimpíada

Esgrimista Guilherme Toldo fala sobre a pressão de disputar uma Olimpíada

Jogar uma Olimpíada, segundo Guilherme Toldo, é resumir toda a preparação de quatro anos do atleta olímpico em um dia de competição - no seu caso o dia 26 de julho, quando acontece o torneio individual de florete masculino da esgrima nos Jogos de Tóquio-2020. É no momento do combate na pista que o esgrimista precisa "jogar todas as cartas" em busca de um bom resultado. Para ele, porém, sai na frente quem mais se empenha - por isso, o brasileiro quer depositar seu planejamento e a experiência de Londres-2012 e do Rio-2016 para chegar longe no Japão.

Os últimos meses de Toldo foram de muito foco. Seus treinamentos se mantiveram firmes mesmo durante os períodos mais restritivos da pandemia, adaptando a dinâmica para não perder o ritmo. O atleta acredita que isso pode ser um diferencial e já colheu frutos na oportunidade que teve de se colocar à prova, ao conquistar um lugar entre os oito melhores do Grand Prix de Florete.

Sua confiança também está em dia e ele entende o peso que é disputar uma Olimpíada. Toldo vai para a sua terceira edição dos Jogos e sabe o quanto se deposita nos 15 toques da disputa eliminatória na competição.

"A vida do atleta olímpico é assim. Uma preparação durante quatro anos, você busca colher as melhores sensações, os melhores resultados possíveis para chegar no fim do ciclo olímpico classificado para os Jogos e em condições de alcançar um bom resultado. Entendo a situação como uma consequência do nosso trabalho, da vida de atleta olímpico", afirmou.

Ainda assim, não é uma situação simples para o atleta, tenha ele a qualidade que for. O brasileiro pondera que somente um competidor olímpico sabe o peso de representar seu país para milhões de pessoas, que o assistem com muita expectativa. Cada ponto e cada toque importam, ao mesmo tempo em que cada erro tem um grande valor.

"Realmente, essa situação de competir durante quatro anos e jogar todas as cartas em um dia na competição mais importante, os Jogos Olímpicos, é uma situação um pouco delicada. As pessoas de fora, de repente, acabam não entendendo a real situação que os atletas vivem naquele momento. O quão importante é uma boa apresentação, o quanto se treinou para chegar naquele momento", contou.

Mas Toldo entende que o esporte recompensa quem se prepara melhor. Por esse motivo, ele conta com uma equipe multidisciplinar de profissionais que o preparam fisicamente, tecnicamente e mentalmente. Nos treinamentos, o trabalho é para corrigir seus erros, potencializar suas habilidades e aproveitar até o último segundo para se manter inteiro e disposto. Segundo o esgrimista, essa é a melhor receita para colher frutos na competição e provar seu valor para os torcedores.

"É difícil explicar esse tipo de relação porque as pessoas não têm esse contato com a vida do atleta olímpico. Mas a experiência conta muito na esgrima, assim como em vários outros esportes. E venho me preparando para esse tipo de situação. A maneira mais adequada para explicar para quem não faz parte desse ambiente é que o esporte de competição é meritocrático. Dá méritos para quem se esforça, se empenha mais. E também para quem está mais pronto naquele dia específico. É uma situação muito especial da vida do atleta olímpico", reforça Guilherme Toldo.

PRIMEIRO TREINO - Toldo e Nathalie Moellhausen fizeram o primeiro treino em solo japonês nesta segunda-feira, na sala de treinamento do Makuhari Messe, em Tóquio. A espadista será a primeira a estrear nos Jogos, na noite de sexta-feira (de Brasília). Dois dias depois, é a vez de o esgrimista gaúcho entrar em ação.

Últimas