Elenco do Eibar diz estar com 'medo' da retomada do futebol na Espanha

Cheios de dúvidas e medos, os jogadores e membros da comissão técnica do Eibar relutam em voltar a jogar no meio da pandemia de coronavírus. Um dia depois de a liga espanhola anunciar que os clubes poderão retomar os treinamentos nesta semana, eles divulgaram um comunicado, nesta terça-feira, expressando que temem pela saúde de todos em caso de retorno prematuro da temporada.

"Temos medo de iniciar uma atividade em que não teremos condições de cumprir a primeira recomendação de todos os especialistas, o distanciamento físico. Estamos preocupados que, por fazer o que mais gostamos, podemos nos infectar, infectar nossos parentes e amigos e até contribuir para um novo surto da epidemia, com as terríveis consequências que isso acarretaria para toda a população", afirmam no comunicado.

Eles também observaram que estão preocupados com o fato de outro surto de coronavírus na Espanha ser atribuído ao futebol. "A primeira coisa deve ser a saúde de todos, e é hora dessa ideia prevalecer com fatos, não apenas com palavras. Somente com essa premissa clara faria sentido voltar à competição. Pedimos garantias. Nós exigimos responsabilidade", afirmaram.

O comunicado do elenco e comissão técnica do Eibar foi respondido pela liga. "Entendemos que as pessoas têm emoções diferentes, incluindo o medo", afirmou, embora tenha reconhecido que este é um momento sem precedentes. "Estamos tomando precauções para um retorno seguro. Jogar futebol será mais seguro do que ir ao supermercado ou farmácia", acrescentou.

O plano da La Liga é retomar o Campeonato Espanhol em junho, mas sem a presença de público nos estádios. Seu protocolo sanitário estabelece que todos os envolvidos devem passar pelo teste da covid-19 antes de retornar as atividades e continuarem sendo avaliados depois disso. Todas as instalações dos clubes também deverão cumprir protocolos sanitários. E os treinos, inicialmente, ocorrerão apenas em pequenos grupos.

A Espanha foi um dos países mais afetados pela pandemia na Europa, mas começou a relaxar seu confinamento devido à diminuição de infecções.