Esportes Craques do vôlei usam camisas pela igualdade de gênero na Liga das Nações

Craques do vôlei usam camisas pela igualdade de gênero na Liga das Nações

As fases finais da Liga das Nações, entre 25 e 27 de junho, em Rimini, na Itália, serão o palco de uma campanha mundial pela igualdade de gênero no vôlei. Na ação "Camisas da Igualdade", jogadores do sexo masculino e feminino, que usam o mesmo número de camisa, vão vestir uniformes com seu próprio nome e também o nome de um(a) jogador(a) do sexo oposto.

Seis duplas já estão confirmadas. A americana Lauren Carlini e o argentino Facundo Conte, que usam o número 7; a russa Natalia Goncharova e o brasileiro Wallace de Souza, que compartilham o número 8, além da turca Eda Erdem e do holandês Nimir Abdel-Aziz, que jogam com o número 14.

As camisas representam a luta contra a desigualdade de gêneros, ainda presente no esporte. Nas principais competições, os mesmos prêmios em dinheiro e formatos de jogo procuram promover a igualdade de condições no vôlei. A iniciativa da campanha é da Volleyball World, entidade responsável pela operação comercial dos principais eventos internacionais de vôlei e vôlei de praia no mundo.

O design da camisa integra o novo posicionamento de marca e identidade visual da Volleyball World, que visa aumentar o apelo global da modalidade. A nova marca será apresentada por meio de diversas campanhas com os jogadores na preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio.

"A Volleyball World tem o orgulho de ser uma das principais defensoras da promoção da igualdade de gênero no esporte. Igualdade de gênero e inclusão estão no DNA do vôlei e sempre nos recusaremos a aceitar o status quo", disse Finn Taylor, CEO da Wolleball World.

Últimas