Conte exige título da Internazionale: 'A história é contado pelos vencedores'

Vice-campeão italiano, nesta temporada, um ponto atrás da Juventus, o técnico Antonio Conte deixou claro, nesta quinta-feira, que não ficará satisfeito com uma derrota da Internazionale frente ao Sevilla, nesta sexta, às 16 horas (de Brasília) em Colônia, Alemanha, na decisão da Liga Europa.

"A história é escrita pelos vencedores. O que eu percebi em todos esses anos que tenho no futebol é que as pessoas só se lembram quando você ganha finais. Ganhei a Liga dos Campeões (como jogador da Juventus em 1996), mas também perdi em outras três oportunidades", disse o treinador, em entrevista coletiva.

"Temos de estar orgulhosos por voltar a disputar uma final. Por isso precisamos demonstrar em campo o nosso entusiasmo e nossa vontade de vencer. Teremos pela frente um adversário muito difícil de ser vencido e com grande experiência nesta competição", afirmou Conte, referindo-se aos cinco títulos da equipe espanhola (2006, 2007, 2014, 2015, 2016), maior vencedora da Liga Europa. Os italianos foram campeões em 1991, 1994, 1998.

O treinador italiano não gostou quando perguntado se teria "medo" do Sevilla. "Medo não é uma palavra que tenho em meu vocabulário. Temos muito respeito pelo nosso adversário, apreciamos sua forma de jogar e conhecemos sua história, mas se chegamos à decisão é porque também temos nossas qualidades."

Conte aproveitou para elogiar sua elenco após um ano de trabalho. "Tivemos como objetivo ser competitivos em todos os campeonatos e conseguimos. Minha esperança de vencer aumentou nos últimos dias, ao ver que minhas ideias deram resultado e que os jogadores acreditam em mim."

Aos 51 anos, o técnico não quis adiantar se vai seguir no clube milanês na próxima temporada. "Aprendi a viver um dia por vez. Hoje estou aqui em entrevista coletiva e amanhã temos a final. Tudo pode ficar como está ou ter uma mudança de 360 graus."

Rumores apontam que Conte pode deixar o time por não concordar com a postura da diretoria, que segundo ele, não teria "blindado" o seu trabalho e o dos jogadores bastante criticados durante o Campeonato Italiano.