Concacaf adia início das Eliminatórias da Copa para 2021 por causa da pandemia

A Concacaf, que engloba países das Américas do Norte e Central e do Caribe, resolveu adiar mais uma vez o início das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, no Catar, agora para março de 2021. A entidade pretendia usar as datas Fifas de outubro/novembro para as primeiras rodadas, mas não vê segurança em alguns países, ainda em difícil estágio na luta contra a pandemia do novo coronavírus.

A decisão foi tomada nesta terça-feira em comum acordo após conversa com as associações esportivas do continente, autoridades sanitárias e a Fifa, que aceitou o adiamento do início das Eliminatórias, ainda com seu formato original mantido. A crise sanitária em determinados países foi preponderante para o adiamento.

"Muitas partes da região continuam atravessando situações de saúde pública muito desafiantes e esse foi um fator chave para a decisão", informou a Concacaf em comunicado oficial. "Além disso, vários países da confederação têm restrições de viagem e requisitos de quarentena, o que dificultaria enormemente o futebol internacional no qual participam 30 equipes nacionais".

A Concacaf informou ainda que se reunirá com a Fifa para definir um novo calendário para as Eliminatórias. Promete divulgá-lo em breve.

Inicialmente, são 30 seleções divididas em seis grupos de cinco. Elas se enfrentarão dentro da chave em jogos de ida e volta e os campeões se classificam. Esses seis classificados, então, farão três duelos de mata-matas, restando apenas três seleções.

Os três vencedores dos mata-matas se unem a México, Costa Rica, Estados Unidos, Jamaica e Honduras, os melhores classificados do ranking da Concacaf, para novos jogos de ida e volta e a definição das três vagas diretas ao Mundial do Catar. O quarto colocado fará uma repescagem contra um rival de outro continente.