Esportes Com mal estar coletivo, Guiné-Bissau pede adiamento de jogo das Eliminatórias

Com mal estar coletivo, Guiné-Bissau pede adiamento de jogo das Eliminatórias

O presidente da Federação de Futebol da Guiné-Bissau, Carlos Teixeira, revelou nesta quarta-feira que a seleção de futebol do país, que tem compromisso marcado para esta tarde (no horário de Brasília) contra o Marrocos, fora de casa, pelas Eliminatórias Africanas da Copa do Mundo de 2022, sofreu uma intoxicação alimentar e poderá não comparecer ao jogo.

"Nestas condições, não vou mandar os jogadores para o campo, seria um ato criminoso da minha parte", afirmou Carlos Teixeira, em um contacto telefônico desde a cidade de Rabat, no Marrocos.

Segundo o dirigente, praticamente todos os jogadores e os membros da comissão técnica - que conta com três portugueses - sofrem com vômitos e diarreia desde o jantar de terça-feira. Alguns jogadores foram levados a um hospital da cidade marroquina, onde, disse Carlos Teixeira, receberam soro e outros tratamentos.

"Tirando Alfa Semedo e um ou outro, todos os jogadores estão com diarreia e vômitos. Assim não dá", observou o presidente. Carlos Teixeira disse que já informou as autoridades de seu país e que está tentando contatar o delegado do jogo, de nacionalidade de Serra Leoa, mas ainda não conseguiu para lhe comunicar a situação.

O jogo de Guiné-Bissau contra o Marrocos nesta quarta-feira, no estádio Príncipe Moulay Abdellah, é válido pela terceira rodada do Grupo I das Eliminatórias. A partida, inicialmente, era para ser realizada em Guiné-Bissau, mas, dadas as más condições do estádio nacional 24 de setembro na cidade de Bissau, a Confederação Africana de Futebol (CAF, na sigla em francês) o transferiu para Rabat.

Guiné-Bissau lidera o grupo, com quatro pontos em duas rodadas. O Marrocos soma três, mas tem apenas um jogo disputado. Apenas o primeiro colocado de cada chave avança para a terceira fase das Eliminatórias.

Últimas