Esportes Briga campal no Marrocos tem 160 presos, carros queimados e dezenas de feridos

Briga campal no Marrocos tem 160 presos, carros queimados e dezenas de feridos

O mundo da bola nem bem se recuperou das impressionantes e revoltantes imagens de briga entre torcedores do Querétaro e do Atlas, no México, com 26 feridos, e já presencia novo ato de selvageria em uma partida de futebol. Desta vez a briga campal ocorreu no estádio Moulay Abdellah, no Marrocos, neste domingo, e foi ainda mais assustadora e grave, com dezenas de feridos, 33 veículos queimados ou destruídos e 160 presos, sendo 90 menores de idade.

A confusão ocorreu após a partida entre o mandante FAR, representante de Rabat, e o MAS, de Fez. Os visitantes ganharam o jogo da Copa do Trono por 2 a 0 e os revoltados torcedores da casa, eliminados, começaram a destruir tudo o que viam pela frente. Houve invasão no gramado e enorme enfrentamento com a polícia local.

As cenas são fortes. Acuado, um grupo de policiais tenta se defender enquanto é alvo de pedras e pedaços de bancos das arquibancadas. Uma moto foi incendiada e diversos carros que estavam no estacionamento do estádio acabaram destruídos.

De acordo com comunicado da Direção Geral da Segurança Nacional (DGSN) do Marrocos, 160 envolvidos na confusão acabaram detidos, sendo 90 menores de idade. "Foram detidos pelo envolvimento em atos de violência, atentado ao esporte, por posse de uma faca, por atirar pedras com danos materiais e por incendiar uma viatura", informou a DGSN.

A maioria dos machucados é da DGSN, que registrou 85 policiais com ferimentos distintos - todos tiveram de passar por hospitais da região - além de 18 integrantes da Força Auxiliar Marroquina. Além disso, 57 torcedores, entre briguentos e quem tentava escapar da guerra campal também buscaram auxílio médico.

Alucinados com a eliminação em jogo único, os torcedores do FAR deixaram um enorme rastro de destruição e prejuízo. Antes de toda a barbárie, ainda com resultado de 1 a 0, um torcedor usou uma corda para escalar o placar eletrônico do estádio. A polícia marroquina ainda não divulgou o que fará com os presos e o clube calcula os prejuízos. Sem contar a punição que também terá nas competições.

Últimas