Braz diz que Jesus sai pela porta da frente e pede calma para definir substituto

Após o Flamengo confirmar a saída do técnico Jorge Jesus, que optou por deixar o clube para retornar ao Benfica, o vice-presidente de futebol Marcos Braz se pronunciou e destacou respeitar a decisão do português. Ele reconheceu o sentimento de tristeza pelo rompimento do treinador, mas avaliou que ele deixa o clube carioca pela porta da frente.

"Somente hoje fomos comunicados do desejo do encerramento contratual com o Flamengo. Tive um almoço tranquilo com o Jorge. Leve, deu tudo certo. Landim desde o começo conduziu com correção, sempre dando todas as condições. Contratamos o Jesus já atrás e sempre acreditamos. Veio e, com toda sua comissão técnica muito competente, trabalharam muito fora de seu país", disse.

Braz assegurou que a diretoria do Flamengo não sabia da decisão de Jesus de sair do clube até o almoço que ele participou com o técnico nesta sexta-feira. E fez questão de agradecer o trabalho que rendeu seis títulos ao clube em pouco mais de um ano - Brasileirão, Copa Libertadores, Supercopa do Brasil, Recopa Sul-Americana, Taça Guanabara e Campeonato Carioca.

"O Flamengo está com 125 anos. Passa o Jorge, passa a diretoria, passam tantas pessoas que trabalharam, tantos ídolos. A gente está triste porque não era o que queria, tanto que renovamos o contrato. Nos esforçamos. Mas agora teve um outro entendimento que eu vou respeitar. O Jorge sai pela porta da frente, de uma maneira correta e humana. Vida que segue", afirmou.

O nome do substituto de Jesus é uma incógnita. Nesse momento, o elenco está de folga após a conquista do título do Campeonato Carioca na última quarta-feira. E Braz destacou que o clube tem tempo para decidir o novo treinador, pois o Brasileirão só começará no fim de semana dos dias 8 e 9 de agosto.

"A torcida fica sempre apreensiva, e está correta em cobrar novamente um grande técnico para que se possa ter resultado. Agora é ter tranquilidade. A competição começa no dia 9. Não temos o maior tempo do mundo, mas não estamos no meio de uma competição. Talvez fosse um estresse maior. Até pela relação que tenho com o Jorge. Ninguém ia mexer uma peça do tabuleiro antes de um comunicado oficial dele. O que não quer dizer que a gente não esteja atento ao mercado. A partir de domingo vamos começar a ver o melhor para o Flamengo continuar esse ano", comentou.