Esportes Brasileira Cláudia Gadelha troca o octógono por cargo de executiva no UFC

Brasileira Cláudia Gadelha troca o octógono por cargo de executiva no UFC

Foram 14 anos dedicados aos ringues e octógonos. A carreira de lutadora de Cláudia Gadelha chegou ao fim nesta segunda-feira. Aos 33 anos, ela anunciou a aposentadoria para se tornar a primeira brasileira executiva do UFC. Deixa as lutas, mas não a modalidade.

Atualmente na sétima colocação do ranking mundial do UFC, na categoria peso-palha (52kg), Claudinha é detentora de 14 títulos, divididos entre três campeonatos mundiais de Jiu-Jitsu brasileiro, quatro do Rio Open Internacional de Jiu-Jitsu e mais sete do Nacional de Jiu-Jitsu brasileiro.

Ela espera, aos 33 anos, seguir brilhando como dirigente como fez dentro do octógono, no qual foi um terror para as adversárias. Apesar do desafio, a brasileira se mostra confiante em belo trabalho.

"Estou passando por uma transição de vida gigantesca e vou trabalhar na parte executiva do UFC. Essa mudança me traz novas oportunidades, mais estratégicas, para continuar a fazer o MMA crescer mundialmente", acredita Claudinha.

Ela quer levar para a função, sua origem humilde e a história de superação. "Nasci em Mossoró, para chegar às disputas profissionais no esporte percorri um longo caminho. Com a minha aposentadoria, entendo que como missão e retribuição a tudo que o esporte me proporcionou, investir em jovens talentos brasileiros será meu legado. Quero, como membro do time do UFC, ajudar esses jovens talentos que não recebem incentivo para seguirem no esporte."

Últimas