Esportes Ana Sátila se decepciona com resultado na canoagem: 'Agora é olhar para frente'

Ana Sátila se decepciona com resultado na canoagem: 'Agora é olhar para frente'

A brasileira Ana Sátila arriscou tudo em sua decida no C1 da canoagem slalom nos Jogos de Tóquio e acabou perdendo uma porta por centímetros. Ela tinha de passar com o peito, mas as imagens mostraram que era passou apenas com o pescoço e foi punida com 50 segundos. O erro custo bem caro para a atleta, que ficou na décima posição.

"Estou muito triste e decepcionada. A penalidade que tomei foi tentando alcançar a medalha, pois sabia que tinha de fazer um tempo bom. Sei que se não fosse a penalidade, ficaria em quarto e talvez isso fosse até pior. Antes eu estava feliz, mas agora tenho muita coisa para revisar", disse a atleta, que chorou bastante.

Ela lembra que durante a pandemia de covid-19 teve muitas dificuldades e acabou ficando sem treinador. Cássio Ramon Petri deixou de ser o técnico e a Confederação Brasileira de Canoagem queria um grande nome internacional. Mas por ser perto da Olimpíada, não teve como conseguir isso.

"Fiquei sem técnico seis meses antes dos Jogos. O COB e a confederação procuraram, mas não encontramos ninguém. Até que meu namorado se prontificou a me ajudar. Ele deixou a vida de atleta para me apoiar", contou Ana, citando o francês Mathieu Desnos, com quem namora há quatro anos.

E foi com ele que Ana Sátila fez a reta final de sua preparação. Apesar de todas as dificuldades, chegou pela primeira vez na final olímpica e conseguiu o melhor resultado de uma mulher do Brasil na modalidade. Ela prometeu levantar a cabeça e perseguir sua medalha. "Agora é olhar para frente e tentar me recuperar. Sei que tenho nível para competir com as melhores do mundo", avisou.

A tendência é que o COB e a confederação busquem um especialista estrangeiro para treinar a atleta para os Jogos de Paris, em 2024. Mathieu, que já tem sua naturalização, também quer tentar a vaga olímpica para representar o Brasil. "Essas decepções fazem a gente crescer", comentou Ana Sátila.

Últimas