Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cosme Rímoli - Blogs
Publicidade

Marta, sexta vez a melhor. No Brasil, o futebol feminino no abandono

A escolha da brasileira surpreendeu. Foi a maior zebra na premiação da Fifa. Enquanto isso, por aqui, o futebol feminino segue desprezado

Cosme Rímoli|Do R7 e Cosme Rímoli


Surpreendente a sexta vez de Marta como a melhor do mundo. Inesperada
Surpreendente a sexta vez de Marta como a melhor do mundo. Inesperada

São Paulo, Brasil

"Estou sem palavras."

E tinha de estar.

Marta foi a grande surpresa na festa da premiação da Fifa.

Publicidade

Aos 32 anos, ela ganhou pela sexta vez a premiação de melhor jogadora do mundo.

Veja mais: É hexa! Marta é eleita a melhor jogadora do mundo pela sexta vez

Publicidade

Desbancou as favoritas do Lyon, pentacampeão da Champions League : norueguesa Ada Hegerberg e a alemã Dzsenifer Marozsan. 

A brasileira de talento individual excelente não tem uma conquista significativa para justificar o prêmio. Venceu com o Brasi a Copa América, na verdade, o Sul-Americano. A Seleção enfrentou times fraquíssimos, sem a menor estrutura. E ganhou o torneio.

Publicidade

Garantiu a vaga na Copa do Mundo da França. Além da Olimpíada.

Marta fez um dos 31 gols que o Brasil marcou.

Em 2017 foi vice artilheira da NWSL. Marcou 13 gols e deu nove assistência. Seu time, o Orlando Pride caiu nas semifinais. Ganhou como melhor jogadora da Liga Norte-Americana por quatro meses seguidos, de junho a setembro. Foi escolhida para a Seleção da Concacaf.

Mas a jogadora estava na vexatória campanha na Taça das Nações.

Marta havia vencido por cinco vezes o prêmio de melhor do mundo. Nas edições 2006, 2007, 2008, 2009 e 2010. Fazia oito anos que não recebia o troféu. 

Veja mais: Modric desbanca CR7 e é eleito 'melhor do mundo' pela Fifa

E por mais orgulho e patriotismo para o futebol brasileiro, a premiação foi mais pelo passado da jogadora do que pelo seu potencial atual. Ela está jogando abaixo do que já jogou. 

Daí a supresa até na indicação.

"Estou sem palavras. É um momento fantástico. E as pessoas falam pra mim assim: “Você já esteve nessa posição tantas vezes, e todas as vezes você se emociona”. E realmente, eu faço isso todas as vezes, porque isso representa muito para mim.

"Desde o primeiro momento que eu realmente enxerguei que era a melhor coisa que eu sabia fazer na vida, que é praticar esse esporte tão fantástico. Agradeço a Deus por me dar saúde para continuar. Não posso deixar de agradecer às minhas companheiras do clube e da Seleção Brasileira, aos fãs e aos jornalistas que me acompanham. Só tenho a agradecer. É um momento mágico. Obrigada."

A CBF, lógico, tentou capitalizar a conquista da jogadora.

No site da entidade está a foto de Marta, com o troféu.

Mas Rogério Caboclo, que está em Londres, e deve surgir em breve com selfies ao lado de Marta, deveria lembrar. Embora vá assumir publicamente a presidência da CBF, ele já a exerce de fato desde o final da Copa do Mundo. 

E sabe muito bem o quanto está abandonado o futebol feminino no país.

Santos campeão brasileiro de 2017. Com o estádio vazio. Premiação de R$ 120 mil
Santos campeão brasileiro de 2017. Com o estádio vazio. Premiação de R$ 120 mil

Tem plena consciência da ojerija que os clubes têm em relação ao assunto.

Tanto que desprezaram solenemente o acordo com o Profut.

Quando a ex-presidente Dilma Rousseff parcelou em 20 anos a dívida de R$ 4 bilhões dos clubes com o governo, em multas e impostos atrasados, exigiu, entre outras coisas, que cada equipe que se aproveitasse dessa facilidade negada ao cidadão comum e às empresas, que formasse um time feminino.

Veja mais: Mbappé deixa Neymar fora da seleção de melhores do mundo

A grande maioria dos clubes grandes deste país aceitou o parcelamento. Para depois acionar a Bancada da Bola, políticos ligados ao futebol, em Brasília. E fizeram questão de enterrar as exigências de Dilma. 

Entre elas, lógico, a criação de uma equipe profissional de futebol feminino.

E a CBF não se envolveu na questão.

Aliás, a entidade bilionária pagou ao Santos Futebol Clube a premiação de R$ 120 mil pelo título nacional. Nada menos do que 141 vezes menos que foi pago ao time masculino do Corinthians, R$ 17 milhões. 

Veja mais: Gol de Salah é escolhido o mais bonito da temporada pela Fifa

A Caixa Econômica Federal deixou de bancar o Brasileiro. Não quis colocar mais R$ 10 milhões em um torneio sem repercussão alguma. As tevês Brasil, Sport TV e Band Sports, pararam de mostrar o torneio.

Marta está feliz, surpresa.

Merece pela sua história ser a recordista de prêmios como a melhor do mundo.

Mas o futebol feminino no país segue jogado às traças.

Com torneios piratas.

Sem a menor repercussão no país do futebol...

Curta a página R7 Esportes no Facebook

Maior entre os melhores: Marta bate CR7 e Messi em prêmios da Fifa

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.