Cosme Rímoli Diego Alves avisa: 'Sede do Flamengo, por novos títulos, continua'

Diego Alves avisa: 'Sede do Flamengo, por novos títulos, continua'

Goleiro, que defendeu três pênaltis, e ainda catimbou e fez Danilo perder cobrança, dedicou o título a Ceni. Que evitou sua saída

  • Cosme Rímoli | Do R7

Diego Alves sabe. Só está no Flamengo graças a Ceni. Por isso dedicou o título ao técnico

Diego Alves sabe. Só está no Flamengo graças a Ceni. Por isso dedicou o título ao técnico

Alexandre Vidal/Flamengo

São Paulo, Brasil

Aos 35 anos, Diego Alves estava exultante em Brasília.

Ele foi o principal responsável pela conquista do bicampeonato da Supercopa do Brasil para o Flamengo.

O goleiro defendeu as cobranças de Luan, Gabriel Menino e Mayke. Além de catimbar, enervar, Danilo, que perdeu.

O Flamengo venceu por 6 a 5, a decisão por pênaltis, contra o Palmeiras, depois de 2 a 2, durante o jogo.

Embora muito festejado pelos companheiros, o goleiro dedicou, com toda razão, o título a Rogério Ceni.

Foi o treinador que evitou sua saída da Gávea.

Evitou a pura precipitação da direção flamenguista.

Hugo surgiu muito bem no Brasileiro de 2020.

Então, com 21 anos, ele substituiu muito bem Diego Alves, contundido.

Era o titular, quando Rogério Ceni foi contratado em novembro.

A diretoria estava empolgadíssima e disposta a dispensar Diego Alves.

Mesmo tendo acertado verbalmente a renovação de contrato do goleiro. O presidente Rodolfo Landim acreditava ser muito alto o salário de R$ 700 mil com o veterano jogador.

Diego Alves ficou revoltado porque tinha a palavra dos dirigentes flamenguistas que estava tudo certo.

Foi Ceni que conversou com o vice Marcos Braz e deixou claro o que pensava da situação. Ele tinha certeza que Hugo era muito novo para tanta cobrança no Flamengo. E precisava de Diego Alves.

Depois de várias reuniões, impasses, Diego Alves renovou seu contrato por R$ 600 mil. O pedido do treinador foi respeitado.

COSME: Diego Alves espetacular. Flamengo bicampeão da Supercopa

E aconteceu o que Ceni previu.

Hugo passou a falhar.

Diego Alves voltou, deu tranquilidade ao time. 

O Flamengo foi campeão brasileiro.

E hoje, fundamental, na conquista da Supercopa do Brasil.

"Mas mais do que (defender) os pênaltis era o significado pra gente."

"Para mim em especial, porque passei por um momento conturbado. Isso vai para as pessoas que quiseram minha permanência, era um desejo meu ficar no Flamengo, muita gente fez muito esforço para eu continuar."

"Fico feliz de retribuir isso com esse título que esse grupo merece", dizia, quando Rogério Ceni se aproximou dele.

O abraçou.

Diego Alves perguntou.

"Você já ganhou um título na cobrança de pênaltis?"

Ceni respondeu. "Não."

Diego Alves aproveitou o microfone da transmissão do jogo para destacar.

"Esse cara merece muito. Ele nunca tinha vencido um título nos pênaltis. É um ídolo para toda a vida", disse.

Ceni, agradecido, deu um beijo no rosto de Diego Alves.

Diego Alves é um dos grandes líderes do elenco flamenguista

Diego Alves é um dos grandes líderes do elenco flamenguista

Reprodução/Diego Alves Twitter

O goleiro é grande líder do elenco flamenguista.

Ele fez questão de concordar com um jornalista que perguntou se ele o clube ainda estava com 'sede de títulos' em 2021.

Alves concordou.

E avisou.

"A gente nunca pode viver do passado."

"O que ficou para trás, ficou."

"Os títulos foram conquistados."

"As fotos estão na parede."

"Agora é tentar conquistar mais os títulos que teremos pela frente."

Seu contrato vai até o final deste ano.

Nenhum dirigente cogita Hugo como titular.

Os números, só de penalidades, são impressionantes.

Desde que chegou ao Flamengo.

Foram 46 cobranças.

19 foram durante os jogos.

27 na disputa de penalidades.

Tomou 31 gols.

Mas defendeu 13 cobranças.

Nada menos do que 28%, índice altíssimo.

Fora uma bola no travessão.

E um chute para fora.

Graças a Ceni, o Flamengo tem o goleiro que precisa...

WNBA ganha uniformes com mensagens de empoderamento

Últimas