Silvio Lancellotti Uma noite desastrosa do "Timão". Triunfo tranquilo do "Verdão", 2 X 0.

Uma noite desastrosa do "Timão". Triunfo tranquilo do "Verdão", 2 X 0.

Ironia: o Corinthians estava melhor até quase o final do primeiro tempo, quando Fagner cometeu um penal e foi expulso. Daí, só deu Palmeiras...

O toque de Fagner, penal, e a bola não entraria na meta do Corinthians

O toque de Fagner, penal, e a bola não entraria na meta do Corinthians

Reprodução TV

Em 103 anos de confrontos, nesta noite quentíssima de 10 de Setembro de 2020 na Paulicéia, o Corinthians e o Palmeiras realizaram o seu quarto confronto em apenas cinqüenta dias, o quarto absolutamente sem platéia por causa da Covid-19. O prélio aconteceu na Arena enfim-agora-com-nome de Itaquera, faz uma semana batizada de Neo-Química, depois de seis anos de anonimato. E serviu para que o “Verdão”, 2 X 0, tranquilamente levasse aos treze cotejos a sua invencibilidade. Na série, agora com sete triunfos e seis igualdades, houve uma vitória e dois empates diante do “Timão”. E em 22 de Julho, 1 X 0, Gil, fôra o Corinthians o último a sobrepujar o Palmeiras.

Inexorável, o cartão vermelho para o lateral-capitão

Inexorável, o cartão vermelho para o lateral-capitão

#SCCPPAL

Inaugurado em 6 de Maio de 1917, quando o então Palestra Itália venceu por 3 X 1, o "Derby", que alcançou o número 367, valeu pela nona rodada de um insólito Campeonato Brasileiro acuado por uma pandemia. O resultado levou o “Verdão” a 128 sucessos contra 128, nos tentos 521 a 485. E ainda melhorou a sua situação na tabela, 16 pontos, sete mais que o Corinthians, ambos com um cotejo atrasado.  Também se aproximou do Flamengo, que bateu o Fluminense, 2 X 1, e do São Paulo, que ficou no placar de 1 X 1 diante do Red Bull Bragantino, os dois com 17 pontos. Ocupa a liderança o Internacional de Porto Alegre, que superou o Ceará, 2 X 0, e subiu aos 20 pontos.

A cobrança de Luís Adriano, 1 X 0 em favor do Palmeiras

A cobrança de Luís Adriano, 1 X 0 em favor do Palmeiras

@Palmeiras

Ao som artificioso de uma gravação da “Fiel Torcida” o Corinthians dominou as ações por boa parte do começo da porfia. E aos 12’ quase inaugurou o marcador. Fagner cruzou da direita, Luís Adriano devolveu precariamente e o venezuelano Rómulo Otero, da entrada da área, acertou um tirombaço no travessão, atônito o arqueiro Weverton. O mesmo Otero desferiu um petardo espetacular, aos 34’, e Weverton encaixou. Aos 41’, todavia, numa ofensiva do Palmeiras através do seu lado esquerdo, Luís Adriano lançou Wesley, que tentou driblar Cássio. A pelota sobrou para Lucas Lima, que chutou na direção da meta vazia. O capitão Fagner, no reflexo, esticou o braço. A bola sairia sem riscos. No entanto, Fagner a desviou. Toque, penal e, pior, o cartão vermelho e um súbito desfalque fundamental. Luís Adriano converteu, 1 X 0.

A euforia de Luís Adriano, depois do gol

A euforia de Luís Adriano, depois do gol

@palmeirasonline

Obviamente, se tornou complicadíssima a tarefa de Tiago Nunes, o treinador do “Timão”, reestruturar o seu time, na etapa derradeira, com menos um homem, exatamente o seu lateral-apoiador. O rival, Vanderlei Luxemburgo, a se locupletar, considerou mais conveniente não expor o “Verdão” a contra-ataques em velocidade. Pois, de fato, enquanto o Corinthians se limitava aos arremates sempre fortes do venezuelano, aos 65’, numa disputa de bola no meio do gramado, Lucas Lima suplantou o seu xará Lucas Piton, passou a William, do lado oposto, e o “Bigode” daí colocou a pelota a Veron, livre, com o arco vazio, 2 X 0. Ao “Timão”, restaria evitar um vexame. Danilo Avelar recebeu o cartão vermelho por duas advertências em meros dez minutos, mas o “Timão”, mesmo aos pandarecos, conseguiu segurar a diferença até o fim.


Gostou? Clique num dos ícones para “Compartilhar”, ou “Twittar”, ou deixe a sua opinião sobre este meu texto no meu “FaceBook”. Caso saia de casa, use máscara. E fique com o meu abração virtual! Obrigadíssimo!

Últimas