Silvio Lancellotti O empate na final garante à China o título inédito da Copa do Xadrez

O empate na final garante à China o título inédito da Copa do Xadrez

Na disputa com os Estados Unidos, a equipe do Oriente obteve um placar de 2 X 2, o suficiente para conquistar a inusitada competição de jogos virtuais

Os seis enxadristas do time campeão

Os seis enxadristas do time campeão

@FIDE_chess

No “match”, aconteceu o empate, 2 X 2.
Mas, na briga pelo título, a China venceu.
Ding Liren 1/2 X 1/2 Hikaru Nakamura
Wei Yi 0 X 1 Fabiano Caruana
Yu Yangyi 1 X 0 Wesley So
Hou Yifan 1/2X 1/2 Irina Krush

No Xadrez dito Clássico, quando cada competidor dispõe de ao menos 90 minutos para realizar 40 movimentos, uma posição vantajosa no ranking mundial pode significar algum tipo de favoritismo. Por isso, com a média superior de 2.718 pontos a 2.654 no “rating” da FIDE, mais a sua primeira colocação no torneio qualificatório da competição, mais o fato de agora só depender de um empate, tudo indicava o sucesso da China neste domingo, dia 10 de Maio, sobre o time dos Estados Unidos, no “match” suplementar que enfim decidiria o campeão da inusitada I Copa Online das Nações.

Os oito enxadristas que disputaram a decisão

Os oito enxadristas que disputaram a decisão

@FIDE_chess

Outro detalhe: a Copa se realizou no estilo Rápido, as suas partidas em ritmo veloz, o tempo básico de 25’ e mais um acréscimo de 10” por lance a partir da abertura. E mesmo no Xadrez Rápido o “rating” da China é vantajoso, de 2.702 pontos a 2.654. Ocorre, porém, que terminada a nona das dez rodadas da competição, a China ostentava, na tabela geral, 17 pontos contra 12 da Europa e 11 dos EUA. Daí, enquanto a Europa desafiava os lanterninhas do Resto do Mundo, só 3 pontos, aos norte-americanos, precisamente, caberiam os bem mais homogêneos orientais, invictos até aquele momento da Copa.

Firouzja, o responsável por tirar a Europa da final

Firouzja, o responsável por tirar a Europa da final

@FIDE_chess

O estilo Clássico, obviamente, às vezes surpreende, e até impacta, quando mesmo um Grande Mestre comete uma bobagem – no jargão do Xadrez, uma “capivarada”. Mas, no Rápido, as traições espreitam a cada movimento. À parte os outros três cotejos, de resultados, digamos, na normalidade, pela Europa o armênio Levon Aronian, que vinha de três vitórias e três empates, perdeu do iraniano Alireza Firouzja, apenas um triunfo em oito prélios pelo Resto do Mundo. E a Europa, desafortunada, soçobrou, 1 1/2 X 2 1/2.

O elenco da Europa, terceiro lugar

O elenco da Europa, terceiro lugar

@FIDE_chess

Então, no combate de China versus EUA, Ding Liren, de peças brancas, bateu Hikaru Nakamura. Também com as brancas, Fabiano Carauna sobrepujou Wang Hao. Irina Krush e Ju Wenjun ficaram na igualdade, que empurrou a saída para a peleja entre Yu Yangyi, de brancas, cinco vitórias e três empates, e Wesley So, duas vitórias e cinco empates. Pois deu o inesperado, deu So e deu os EUA. A Europa e os EUA, juntos, com 13 pontos. E o elenco dos EUA, na soma de vitórias e de empates, alcançou os 22 a 21 1/2.  É. Por causa de uma igualdade, os EUA na decisão. Ironia, por uma igualdade perderiam o troféu.

Uma amostra dos competidores na I Copa das Nações

Uma amostra dos competidores na I Copa das Nações

@FIDE_chess

É. Os norte-americanos não foram capazes da perpetração de um choque definitivo na competição. Pairava na balança um prêmio equivalente a R$ 1 milhão, a ser partilhado de maneira proporcional à quantidade de aparições de cada enxadrista do campeão. Ainda haveria um bônus extra de R$ 70 mil para o elenco vencedor, da metade para o vice. Parece pouco. Não, porém, para o Xadrez, infelizmente à cata de patrocinadores dignos de quem o pratica, até com uma dedicação absurda aos estudos de horas e horas sem direito ao relaxamento de um atleta de esportes físicos. E haveria, claro, a glória de um título inédito. O título que a China levou ao segurar os 2 X 2.

Eis as performances totais das duas seleções:

Hou Yifan, uma das damas da China

Hou Yifan, uma das damas da China

@FIDE_chess

CHINA – 44jog/17vit-22emp-5der
Ding Liren – 9jog/3vit-6emp (2.791/2.836)
Wang Hao – 6jog/2vit-5emp-2der (2.763/2.750)
Wei Yi – 8jog/1vit-5emp-2der (2.732/2.752)
Yu Yangiy – 10jog/5vit/3emp/1der (2.709/2.783)
Hou Yifan – 6jog/4vit-3emp (2.658/2.621)
Ju Wenjun – 5jog/2vit-3emp (2.560/2.610)

Capitão: Ye Joangchuan (2.684)

Irina Krush, uma das damas dos Estados Unidos

Irina Krush, uma das damas dos Estados Unidos

@FIDE_chess

ESTADOS UNIDOS – 44jog/13vit-24emp-7der
Fabiano Caruana – 10jog/7vit-3emp (2.835/2.773)
Hikaru Nakamura – 10jog/2vit-8emp (2.736/2.829)
Wesley So – 9jog/3vit-5emp-1der (2.770/2.816)
Leinier Domínguez – 4jog/2emp/2der (2.758/2.786)
Irina Krush – 9jog/1vit/6emp/2der (2.429/2.392)
Anna Zatonskih – 2jog/2der (2.420/2.327)

Capitão: John Donaldson (2.412)

Rafael Leitão, aos oito anos de idade

Rafael Leitão, aos oito anos de idade

Arquivo pessoal RL

Prometido e cumprido, em Março, época do Torneio de Candidatos, agora acompanhei, integralmente, o passo-a-passo da Copa das Nações e, sempre que viável, aqui fiz as indispensáveis atualizações. Quem, porém, pretender mais informações online e, melhor, todos os comentários de Rafael Leitão, um caro amigo, 40 anos de idade, desde os 18 o mais jovem brasileiro a conquistar o galardão de Grande Mestre, o líder do ranking do País, 2.592 pontos, eis o seu endereço de Internet: www.rafaelleitao.com.

Gostou? Clique em “Compartilhar”, em “Twittar”, ou deixe a sua opinião em “Comentários”. Obrigado. Fique em casa, que eu fico a dever um abração!

Últimas