Silvio Lancellotti O adeus do majestoso Daniel Dias, um campeoníssimo inesquecível

O adeus do majestoso Daniel Dias, um campeoníssimo inesquecível

O maior medalhista da Natação na História Paralímpica não subiu ao pódio na sua despedida, Mas aplaudiu com orgulho as façanhas, neste dia 1º, de Tallison Glock, Cecília Kethlen e Carol Santiago.

Do Twitter de Daniel Dias

Do Twitter de Daniel Dias

@danieldias88

Nos esportes em geral, por uma imperiosa questão de equidade, pedem a tradição e às vezes a lógica que os disputantes se dividam por idade, por peso ou até por gênero. De fato, convenhamos, não existe sentido em se antepor uma mulher de 60kg a um homem de 120 num tatame do Judô. Muito mais complexo, porém, é buscar alguma paridade quando se trata de para-modalidades, nas competições que englobam deficientes. O Comitê Paralímpico Internacional faz o que pode, e deve. Dispõe de uma farta brigada de médicos, fisiologistas, fisioterapeutas e profissionais correlatos que periodicamente analisam os atletas e os compartimentam em categorias. Deficientes físicos vão de 1 a 10 – quanto menor o número maior o comprometimento. Deficientes visuais vão de 11 a 13. E os deficientes intelectuais, dificuldades de aprendizado ou de concentração, a classe 14.

Em Pequim, o começo

Em Pequim, o começo

CPB

Daniel de Farias Dias, de Campinas/SP, nasceu em 24 de Maio de 1988 com má-formação congênita de membros. O seu braço direito não chega ao cotovelo, o esquerdo é ainda mais curto e tem uma protuberância no formato de dedo. A perna direita não chega ao joelho. Classificado na Classe S5 (o S de “Swimming”, a Natação em inglês), se fascinou com as performances de Clodoaldo Silva, o “Tubarão”, nos Jogos de Londres/2004, e decidiu que se tornaria um campeão na piscina. Muito melhor, já a partir dos Jogos de Pequim/2008, se tornaria supercampeão, o maior acumulador de medalhas da Natação do planeta. Aportou em Tóquio com um sensacional butim de 24, ou 14 de ouro, 7 de prata e 3 de bronze.

Antes de Tóquio, com as suas 24 medalhas

Antes de Tóquio, com as suas 24 medalhas

@danieldias88

Competidor excepcional, um ser humano modelar, bem humorado, sempre com o seu sorriso escancarado, Daniel se casou, em 2016, com a advogada Raquel Andrade, e já tem três filhos, Daniel, Asaph e Hadassa. Capaz de tocar bateria, como hobby, efetivamente dispõe de habilidades majestosas. Porém, na Natação, continua um S5. Ocorre que a brigada de avaliadores do IPC se vale de conceitos subjetivos, baseados em exames periódicos mas não em testes específicos e medições. O carioca André Brasil, 14  medalhas (7-5-2), já nos seu 37 anos, não está no Japão porque apenas agora os julgadores consideraram que o fato de ele ter uma perna “só” 5cm mais curta que a outra não o caracteriza como deficiente. Pois os mesmos juízes rebaixaram à S5 atletas que levam vantagens nada sutis sobre Daniel. Como o italiano Francesco Bocciardo, de limitações motoras nas pernas mas um braço íntegro, o suficiente para, na chegada, bater antes na placa da borda. Graças a essa diferença Bocciardo venceu os 200m Livre e os 100m Livre, provas em que Daniel conquistou ao menos o bronze nesta XVI Paralimpíada.

Com Raquel, Hadassa, Danielzinho e Asaph

Com Raquel, Hadassa, Danielzinho e Asaph

Arquivo Pessoal

O campineiro ainda garantiu o bronze do Revezamento Misto 4 X 50, quando completou a sua etapa em terceiro lugar depois de receber a tarefa no sétimo. Todavia, a sua idade, o justo desejo de viver mais momentos em família, além da nova configuração da S5, o compeliram a pensar numa aposentadoria das competições. E Daniel informou que a contenda dos 50m Livre desta quarta-feira dia 1º de Setembro de 2011, da qual preservava o recorde já fazia quase exatos nove anos, 32”05 em 30 de Agosto de 2012, representaria a sua despedida formal da piscina. Logo nas eliminatórias dois chineses, sem os braços mas de pernas hígidas, c cruciais na impulsão dentro da água, arrasaram o seu primado, Weiyi Yuan com 31”31 e Tao Zheng com 31”42. Terceiro tempo, Daniel anotou 31”83. Nove horas depois, na final, segundo ele mesmo a última final da sua história maravilhosa, precisou se digladiar com um outro representante da China, classificado em outra bateria. Os três chineses, aliás, que faziam parte de uma classe mais alta e que os julgadores do IPC encaixaram na turma de Daniel. Com 32”12, ficou em quarto. Na sua S5 original ele amealharia o ouro. Inviável concorrer com quem era S6 ou S7. Zheng marcou 30”31, recorde mundial. Yuan Weiyi cravou 31”11. E o outro, Wang Lichao, anotou 31”35.

Zé Carlos Oliveira

Zé Carlos Oliveira

@cpboficial

Discretamente, sem a mesma retumbância mas com uma importância de antologia, o Brasil somou, na noite aqui, na manhã oriental, duas medalhas de bronze. Saíram da mesma modalidade que em 1976 rolou nos Paralímpicos de Toronto, Canadá, enquanto os Olímpicos aconteciam em Montreal: a Bocha. Só que, então, se jogou Bocha na grama, com esferas de madeira e pedra. Agora, são bolas e piso de emborrachado sintético. Naquela ocasião, Luiz Carlos Costa e Robson Sampaio de Almeida, dois amigos e cadeirantes que faziam tratamento nos Estados Unidos, decidiram se inscrever por mero prazer e levaram a prata. Agora, na C1 e na C2, levaram o bronze José Carlos de Oliveira e Maciel Santos.

Maciel Santos

Maciel Santos

@cpboficial

Paulista de Ribeirão Preto, 44 de idade, por carência de oxigenação em seu parto José Carlos ficou paralisado cerebral, com um severo comprometimento motor. Na Bocha desde os 26 anos, abiscoitou o seu terceiro posto ao vencer o português André Ramos, prata no Europeu de duplas, por largos 8 X 2. Cearense de Crateús, de 35 anos, Maciel é um paralisado congênito, pratica a Bocha desde os 11 e disputa torneios internacionais desde os 14. Foi o campeão em Londres mas se frustrou ao empacar na sexta colocação do Rio. Na briga pelo bronze contra o tailandês Worawut Saengampa, o atual campeão do mundo, chegou a abrir 3 X 0, cedeu a igualdade e, no seu lance derradeiro, arrematou, 4 X 3.

Talisson Glock

Talisson Glock

@cpboficial

Mais que evidentemente, fará bastante falta à Natação do País, em particular a paralímpica, uma figura carismática e luminosa como Daniel Dias. E embora a idade não seja documento entre os eventualmente deficientes, tudo, num dia, se defronta com a necessidade de renovação. Caso da do próprio esporte que o revelou. Descontados os lauréis individuais que ele abiscoitou em Tóquio, até esta sexta-feira o Brasil havia acumulado, na piscina, 5 medalhas de ouro, 3 de prata e 6 de bronze. Então, na final dos 100m Livre S6, Talisson Glock pegou mais um terceiro lugar. Catarinense de Joinville, 26 anos, aos nove foi atropelado por um trem, um acidente que redundou na amputação de seu braço esquerdo e da sua perna canhota, logo abaixo do joelho. Jocoso, provido de uma enorme auto-estima, ele brinca: “Quando acordei do coma, vi minha mãe em lágrimas ao meu lado. Ela se lastimou das minhas perdas e eu apenas respondi: ‘Tá bom, mas eu tou é com fome’.” Pena que tenha se atrasado muito, 0”85, na largada. Não fosse isso, ao invés do bronze, teria ganho a prata. Ficou meros 0”63 atrás do colombiano Nelson Crispín Corzo. Impossível pensar no ouro, ganho pelo italiano Antonio Fantín, o recordista mundial, que tem os dois braços e, por uma complicação neurológica de nascença, eventualmente mexe as  suas pernas de forma descoordenada e no entanto ficou 1”71 à frente.

Cecília Kethlen

Cecília Kethlen

@cpboficial

A contenda dos 50m Livre, categoria S8 para mulheres, ofereceria uma surpresa inesperada e deliciosa de nome Cecília Kethlen Jerônimo de Araujo, potiguar de Natal, 22 anos, estreante nos Jogos, primado pessoal de 31”40. Admirável Cecília Kethlen, paralisada cerebral por falta de oxigenação no parto, movimentos limitados no lado esquerdo do corpo, e capaz de baixar o tempo na final, 30”83, e abiscoitar uma prata, 0,97 atrás de Viktorilia Ishchiulova, do Comitê da Rússia. Só ela compensaria o galardão que Daniel não envergou na depedida? Não, ainda pularia na água a estrela da Natação brasileira de Tóquio, a estupenda pernambucana Carol Santiago, S12, que já tinha guardado duas medalhas individuais de ouro, nos 50 e nos 100m Livre, mais um laurel de prata no 4 X 100 Livre/Misto, um galardão de bronze nos 100 Costas. Logo depois da potiguar, Carol pulou na piscina para os 100m Peito e deixou claríssimo, de início, não admitir a aproximação de ninguém. Dominou inteiramente e ainda implantou, com 1’14”89, o novo recorde do evento, 2,66 à frente da russa Daria Lukianenko. No lado de fora da piscina, à espera de uma entrevista inevitável, comovido,  Daniel chorava. Mas aplaudia, com orgulho e prazer.

Carol Santiago

Carol Santiago

@cpboficial

Gostou? Clique num dos ícones do topo para “Compartilhar”, ou “Twittar”, ou deixe a sua opinião no meu “FaceBook”. Caso saia de casa, seja cauteloso e seja solidário, use máscara, por favor. E fique com o abraço virtual do Sílvio Lancellotti! Obrigadíssimo!

Dudu ou Gabigol? Veja os maiores salários do futebol brasileiro

Últimas