No Futebol Americano, a queda dos Patriots - e também de Tom Brady

Uma jogada patética do grande astro conduz à eliminação do seu time e, no último ano do seu contrato, coloca em dúvida o futuro da sua carreira

Fim de jogo contra os Titans, uma decepção gigantesca

Fim de jogo contra os Titans, uma decepção gigantesca

PatriotsNews

Desde o seu fracasso nos playoffs de classificação, New York Jets 28 X 21 em 2010, até a sua derrota do último sábado, 4 de Janeiro, Tennessee Titans 20 X 13, os New England Patriots ainda não tinham sofrido a eliminação  no seu jogo de abertura na pós-temporada da NFL. Em dez certames pelo Futebol Americano acumularam 141 triunfos contra somente 42 insucessos, e conquistaram o troféu maior do seu esporte em três ocasiões. Como o seu líder dentro e até mesmo fora de campo brilhou Thomas Edward Patrick Brady, um californiano da cidadezinha de San Mateo, nascido em 3 de Agosto de 1977, 1m93 de altura e 102kg de peso, em quatro vezes o merecedor do ambicionado premio de MVP, ou o atleta mais valioso da contenda.

O impressionante TD de Logan Ryan

O impressionante TD de Logan Ryan

@Titans

Infortúnio dramático. Diante dos Titans, e exatamente na “season” de número 100 da NFL, Tom Brady cometeu o erro mais patético e decisivo dos seus 19 anos de carreira. A meros seis segundos do final do prélio, com o placar de 13 X 14 e quando um TD, o “touchdown” de seis pontos, levaria à vitória dos Patriots por 19 X 13, ele falhou num lançamento curto, destinado a Mohamed Sanu. Tramaine Brock se antecipou e resvalou na bola oval, que desabou no colo de Logan Ryan, TD e glória dos Titans. Detalhe: Brady vive as semanas derradeiras do seu contrato com a equipe. Analistas e torcedores acreditavam que, depois de uma nova temporada de alegrias, ele se aposentaria. Mas, e agora, que fará? Partirá, cabisbaixo, humilhantemente, da NFL?

Brady, o campeão de 2018, no último lampejo da grande glória

Brady, o campeão de 2018, no último lampejo da grande glória

patriots.com

Chegasse ao Superbowl, seria o seu décimo no comando dos Patriots. Talvez o sétimo título, o recorde na história do esporte que mobiliza o público dos Estados Unidos. E seria, talvez, o seu quinto laurel de MVP. Na sua carreira, incluída a pugna diante dos Titans, ele registrou números de fato majestosos. Em 335 partidas, 7.658 passes certos em um total de 11.906 tentativas, média preciosa de 64%. O absurdo de 88.797 jardas abocanhadas e 632 TDs. Isso tudo e meras 220 interceptações. Pena, porém, que apenas uma, pois é, uma única, solitária, patética, se revelaria impiedosamente fatal. 

Na Universidade de Michigan

Na Universidade de Michigan

MLive.com

Aluno da Universidade de Michigan entre 1995 e 1999, Brady se graduou em Business e em Psicologia. Todavia, sofreu bastante até realizar o que efetivamente queria, se tornar um “quarterback” profissional. Nos primeiros dois anos, era o sétimo da lista dos pretendentes à posição de titular. Tornou-se uma espécie de cliente particular de um médico, seu professor, que o estimulou a perseverar e a permanecer em Michigan ao invés de retornar à sua terra e se matricular em alguma outra escola, na Costa Oeste.

No currículo, o estágio na Merryl Linch

No currículo, o estágio na Merryl Linch

@TomBrady

Na dúvida, o rapaz enviou um currículo à Merrill Lynch, empresa mega de investimentos, e acertou um estágio de finais de semana. De todo modo, em 1998, o seu rumo se configurou. Brady atuou espetacularmente numa peleja e se garantiu no posto. Em duas temporadas asseguraria um lugar nobre no ranking Futebol de Michigan. O terceiro QB em passes certos, 442 em 710 tentativas. O quarto em jardas obtidas, 5.331. O quinto no volume de TDs, 53.

Com Bridget Moynahan

Com Bridget Moynahan

Reprodução

Paralelamente celebrado pelo seu matrimônio com Gisele Bundchen, a exuberante top-model brasileira, também se desenrolou de maneira peculiar o seu relacionamento. De 2004 até 2006, Brady conviveu com Bridget Moynahan,  uma atriz seis anos mais velha. Bridget, já estava grávida de dois meses quando ele se aproximou de Gisele. Em 22 de Agosto de 2007 nasceria John Edward Thomas Brady. O menino, porém, não o afastou da paixão pela brasileira e, em 26 de Fevereiro de 2009, formalmente se casaram, na igreja católica. Depressa viriam Benjamin Rein (de 8 de Dezembro de 2009) e Vivian Lake (de 5 de Dezembro de 2012). Com Gisele ele erigiria um robusto patrimônio estimado em US$ 2 bi. Detalhe: Tom jamais se irritou ao ser considerado, desde então, jocosamente, um Mister Bundchen.

No casamento com Gisele Bundchen

No casamento com Gisele Bundchen

Reprodução

Ocorre que, naquela época, a mulher, uma gaúcha de 20 de Junho de 1980, suplantava o marido no departamento da remuneração. Apenas em 2017 o “quarterback” bateu Gisele, consta que por US$ 44 a US$ 30 milhões. E existe uma razão comercial para tal disparidade. Antes, Brady se recusava a aceitar o esgotamento físico-mental de um trabalho como garoto-propaganda. Dos seus 44 milhões comprovados, 15 advieram da publicidade à qual, enfim, ele aderiu. Curiosidade: Brady costuma obedecer à mulher. E por pressão dela parou de se definir um apoiador das ações estapafúrdias de Donald Trump.

Com Robert Craft, o dono dos Patriots

Com Robert Craft, o dono dos Patriots

patriots.com

Existem agora três vertentes à sua frente. Encerrar a sua carreira mesmo sem se regatar da sua horrorosa jogada de despedida. Saborear o desfecho do seu contrato e assinar com outra equipe – propostas não lhe faltarão. Ou, então, recosturar os seus liames com os Patriots e lá mesmo, em New England, buscar a ressurreição. Robert Kraft, o seu proprietário, pai de Jonathan, o presidente oficial do time, já se manifestou de braços escancarados.

A mansão de Los Angeles e Gisele Bundchen

A mansão de Los Angeles e Gisele Bundchen

Reprodução YouTube

Bom lembrar, no entanto, que, em Agosto, ele e Gisele colocaram à venda a sua fantástica mansão de Brookline, subúrbio de Boston, junto à sede dos Patriots, por cerca de US$ 40 milhões. Mas não desfizeram o seu esplêndido apartamento de Nova York, e nem outra mansão, menor e mais acolhedora, em Los Angeles. Isso, sem dizer que San Mateo, terra natal de Brady, fica bem juntinho a San Francisco, sede dos 49ers, os melhores da temporada e os favoritos ao laurel do Superbowl, programado para o dia 2 de Fevereiro.

Meu palpite? A Califórnia. E os 49ers.


Gostou? Clique em “Compartilhar”, ou em “Twittar”, ou deixe a sua opinião em “Comentários”. Muito obrigado. E um grande abraço!