Cosme Rímoli Torcida do Corinthians conseguiu. Destruiu psicologicamente Pato

Torcida do Corinthians conseguiu. Destruiu psicologicamente Pato

O jogador que completará 30 anos teve uma atuação decepcionante contra o Corinthians. Deu como desculpa a forma física. Mas se intimidou no Itaquerão

Pato, Corinthians, Itaquerão, decepção Pato, São Paulo

Xingado, ridicularizado desde o aquecimento até o final do jogo. Pato se abateu

Xingado, ridicularizado desde o aquecimento até o final do jogo. Pato se abateu

Reprodução/Sportv

São Paulo, Brasil

"O Corinthians fez um gol de sorte e se fechou. Tentamos, mas não conseguimos marcar.

Satisfeito eu não estou, eu fiquei cinco meses parado, não fiz a pré-temporada junto com o grupo, estou me esforçando muito nos jogos, não estou 100%, não estou bem fisicamente.

Estou tentando a cada jogo melhorar a minha parte física, reconheço que não fiz um bom jogo, tentei, me esforcei, estou tentando lutar para jogar o melhor para esse time.

Estou triste pelo resultado, triste pelo futebol que eu apresentei, não foi dos melhores, mas eu vou lutar, vou trabalhar forte. Reconheço que eu errei, reconheço que não joguei bem, mas vou lutar para que eu consiga o mais rápido possível entrar em forma."

Essas foram as desculpas de Alexandre Pato depois da derrota do São Paulo diante do Corinthians.

Ele, que foi garoto-propaganda do Itaquerão, quando jogava no Corinthians, pisou pela primeira vez no gramado do estádio contra seu ex-time.

Foi xingado, ridicularizado pela torcida corintiana do aquecimento ao final da partida.

Pato ficou abalado psicologicamente.

Embora vá fazer 30 anos em setembro, ele não resistiu à pressão da torcida no Itaquerão.

Não conseguiu finalizar. 

Foi dominado com facilidade por Manoel e Henrique.

Cuca fez de tudo para Pato.

O colocou na esquerda, depois o centralizou.

E ainda o liberava para atuar na direita.

Pato foi figura decorativa no clássico. Sem personalidade para reagir

Pato foi figura decorativa no clássico. Sem personalidade para reagir

Lance

Mas não houve jeito, completamente intimidado foi um peso morto no ataque do São Paulo.

Cuca o vê como um jogador de lado de campo e não como um artilheiro.

Por isso, insiste na contratação de um definidor, um homem efetivo na área adversária.

Ele segue pedindo Juan Dinenno, argentino que atua no Deportivo Cali, mas pertence ao Racing.

É indisfarçável que há um clima de decepção no Morumbi.

Pato voltou.

Disputou seis partidas.

Marcou apenas um gol.

Não mostrou liderança.

Nem na personalidade ou técnica.

O jogador que voltou sonhando em convencer Tite a levá-lo para a Seleção Brasileira, está muito abaixo do que quando saiu do Morumbi, em 2015.

Dirigentes são paulinos acreditavam: ele faria do jogo de ontem uma resposta aos vários desentendimentos que teve no Corinthians.

Ele foi mal demais.

Entrou e saiu de campo de cabeça baixado.

Vaiado, xingado, ridicularizado.

A torcida corintiana se vingou.

O ressentimento com o ex-ídolo só aumentou...