Cosme Rímoli Sem emoção. Palmeiras e São Paulo não se expuseram

Sem emoção. Palmeiras e São Paulo não se expuseram

A primeira partida da final do Campeonato Paulista foi decepcionante. Abel e Crespo colocaram o time recuados demais. 0 a 0. Decisão domingo, no Morumbi

  • Cosme Rímoli | Do R7

Patrick de Paula não se deixou intimidar por Daniel Alves. Muita marcação. Sem emoção

Patrick de Paula não se deixou intimidar por Daniel Alves. Muita marcação. Sem emoção

MIGUEL SCHINCARIOL/ESTADÃO CONTEÚDO - 20/05/2021

São Paulo, Brasil

Parecia combinado.

Palmeiras e São Paulo não se expuseram, jogaram cautelosos demais, com primeira preocupação em marcar forte o adversário.

A primeira partida final do Campeonato Paulista foi monótona, sem emoção. 

Sem ousadia, nenhum dos dois merecia vencer.

Crespo e Abel Ferreira seguraram seus times.

Trocaram o 3-5-2 pelo 5-3-2.

Não se arriscaram a perder.

O único lance real de perigo foi um lindo chute de Gabriel Sara, da intermediária, que beijou a trave de Weverton, aos 42 minutos do segundo tempo.

E o resultado não poderia ser outro.

0 a 0.

A decisão ficou mesmo para o domingo, no Morumbi.

O São Paulo já não pôde escalar Luciano, contundido. E ainda perdeu Daniel Alves, com dores no joelho. Ambos são dúvidas para o último jogo do campeonato.

"Eu acreditei que ela ia entrar, vi de relance, quando bateu na trave me decepcionei. A gente veio para vencer, empate nunca é bom. Temos que nos concentrar, é clássico, jogo decidido nos detalhes. Vamos com força total lá no Morumbi", garantia Gabriel Sara.

Luiz Adriano muito vigiado por Miranda. Atacantes tiveram pouquíssimo espaço

Luiz Adriano muito vigiado por Miranda. Atacantes tiveram pouquíssimo espaço

Cesar Greco/Palmeiras

"A gente jogou contra uma das melhores equipes da América do Sul. É clássico, se decide em detalhes. Há de ressaltar nossa entrega em campo, nosso trabalho tático, é muito difícil jogar contra um time que toca bem a bola.

"Mas está tudo aberto. É normal numa final, ainda mais em clássico, um empate. Saímos chateados porque queríamos vencer, mas como já fizemos em outros carnavais, podemos fazer um bom resultado lá", garantia Felipe Melo.

Abel Ferreira e Hernán Crespo tiveram muito respeito pelo clássico. Trataram de organizar seus times como se tivessem conversado, combinado, acertado uma trégua. O português e o argentino sabiam o peso que teria uma derrota hoje, logo na primeira partida da decisão. Como se houvessem optado pelo 0 a 0.

O São Paulo não saiu para o ataque, como costuma fazer. Para não dar espaço aos contragolpes em extrema velocidade adversário. E o Palmeiras tratou de forçar a marcação nas intermediárias, principalmente pelos lados, para travar Daniel Alves e Reinaldo.

Pronto, com seus pontos fortes travados, o jogo seguiu monótono, sem ousadia. O medo de perder prevaleceu sobre a vontade de ganhar. 

O São Paulo sentiu muito a ausência de seu jogador desequilibrante no ataque. Luciano não se recuperou das dores musculares que sentiu contra o Racing, pela Libertadores. E foi preservado para domingo.

Abel Ferreira e Hernán Crespo. O medo dos dois, de perder o primeiro jogo, prevaleceu

Abel Ferreira e Hernán Crespo. O medo dos dois, de perder o primeiro jogo, prevaleceu

Cesar Greco/Palmeiras

Daniel Alves já parecia atuar travado, como se tivesse sentindo dores. Bastou uma falta de Victor Luis para ele desistir do jogo, sentindo dores no joelhor direito. Ficou na partida por 31 minutos. Igor Vinícius entrou bem no seu lugar.

Benítez, que fazia um duelo ranhido, brigado, com Felipe Melo, sentiu dores musculares e não voltou do intervalo. Igor Gomes entrou, também bem, no meio-campo.

Na segunda etapa, o jogo seguiu igual, cansativamente disputado nas intermediárias. Nos dez minutos finais, o Palmeiras pareceu estar desgastado e ter perdido a concentração.

Foi o suficiente para o São Paulo acertar a trave, em um chute lindíssimo de Gabriel Sara.

O lance passou confiança e o time de Hernán Crespo adiantou a marcação, buscando vencer.

Mas era tarde demais.

O 0 a 0 prevaleceu.

A decisão será domingo.

E completamente imprevisível...

Covid-19 e goleiro improvisado: a vitória do River na Libertadores

Últimas