Cosme Rímoli São Paulo vitória 'vergonhosa'. E derrota no STJD

São Paulo vitória 'vergonhosa'. E derrota no STJD

Clube goleou o Binacional. Encerrou participação na Libertadores. Está na Sul-Americana, como triste compensação. Jogo contra Atlético não será anulado

  • Cosme Rímoli | Do R7

Pablo marcou dois gols contra o fraquíssimo Binacional. São Paulo na Sul-Americana

Pablo marcou dois gols contra o fraquíssimo Binacional. São Paulo na Sul-Americana

Fernando Bizerra/EFE 20.10.20

São Paulo, Brasil

"Um clube, como São Paulo, não avançar na fase de grupos é vergonhoso.

"Estamos tristes, insatisfeitos.

"Mas seguimos.

"Temos Copa do Brasil, Brasileiro, Sul-Americana."

Foi desta maneira, sincera, que Pablo 'comemorou' a vitória por 5 a 1 sobre o fraquíssimo Binacional no Morumbi, na noite de ontem.

Nem romper o jejum de 11 partidas, marcando dois gols, animava o atacante.

Pela primeira vez em 33 anos, o São Paulo cai eliminado da primeira fase de uma competição sul-americana.

A administração do presidente Leco só fracassou no gramado, desde que assumiu, em outubro de 2015. O clube chegou a oito anos sem título.

O jogo foi o duelo dos eliminados do grupo D da Libertadores.

Entraram desclassificados, eliminados por River Plate e LDU.

Disputaram o prêmio de consolação.

A Copa Sul-Americana, torneio de segunda linha na América do Sul.

O São Paulo tinha a vantagem do empate.

Mas o Binacional tem um elenco fraquíssimo.

E cuja única façanha nesta Libertadores foi ter vencido o São Paulo por 2 a 1, em Juliaca, a 3.800 metros de altitude.

O time de Fernando Diniz foi o único da chave a ter de enfrentar essa dificuldade. A Conmebol impediu novas partidas em Juliaca. Por conta da pandemia do coronavírus.

Mas a altitude não serve como desculpa.

No Peru, a falta de bom futebol proporcionou a chance ao limitadíssimo adversário, a vitória.

No Morumbi, ontem, o técnico Javier Arce tratou de montar seu time no 4-5-1. Fernando Diniz, mesmo com um rival tão fraco, foi conservador. E jogou no 4-4-2. Mas marcando por pressão a saída de bola. 

veja mais: Neymar diz que 'sonha' com Cleo e fala do namoro com Marquezine

Foi o que bastou.

Não havia comparação.

Individualmente e fisicamente, o São Paulo sobrava.

E mesmo com atuação fraca de Daniel Alves e o desperdício de Luan, postado à frente da zaga, o time goleou.

Vítor Bueno, aos seis minutos, e Brenner, aos 34 minutos, marcaram 2 a 0. Deza, descontou aos 39 minutos do primeiro tempo. E, sim, levou tensão ao Morumbi.

No segundo tempo, os peruanos estavam exaustos.

Não conseguiram manter o ritmo, a marcação da primeira etapa.

Deram muito espaço.

Foi assim que Pablo marcou 3 a 1 logo aos cinco minutos, Arboleda fez 4 a 1, aos sete minutos. E Pablo marcou seu segundo gol, aos 39 minutos.

5 a 1.

O Binacional terminou sua trajetória de sofrimento fora dos seus domínios.

Perdeu por 8 a 0 para o River Plate na Argentina. E por 6 a 0, na revanche, em Lima. Para a LDU, 4 a 0, no Equador. Ou seja, a goleada do São Paulo ontem, foi rotina.

Mas não foi apenas de vitória, a noite são paulina.

Sofreu dura derrota.

O STJD indeferiu o pedido de anulação da partida contra o Atlético Mineiro. O clube alegava erro de direito ao VAR não ter confirmado gol de Luciano. O presidente da Comissão de Arbitragem, Leonardo Gaciba confirmou na semana passada que o VAR foi mal aplicado e o gol foi legal.

Luciano estava em posição legal. Houve erro humano no VAR. Mas São Paulo perdeu prazo

Luciano estava em posição legal. Houve erro humano no VAR. Mas São Paulo perdeu prazo

Reprodução/Sportv

Acontece que o prazo para o São Paulo pedir a anulação do jogo era de dois dias após a entrega da súmula do árbitro.

E o clube entrou 40 dias depois com o pedido no STJD.

A vitória do Atlético, por 3 a 0, está confirmada...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

Saiba 7 motivos que fazem Rogério Ceni ser comparado a estrangeiros

Últimas