Cosme Rímoli São Paulo transformou o Paulista em Copa do Mundo. E é campeão

São Paulo transformou o Paulista em Copa do Mundo. E é campeão

O time de Crespo não deu a menor chance para o poderoso Palmeiras. Venceu por 2 a 0. Voltou a conquistar um título depois de nove anos

  • Cosme Rímoli | Do R7

São Paulo, Brasil

Acabou o sofrimento.

Depois de nove anos, o São Paulo voltou a ser campeão.

Crespo conseguiu travar o poderoso Palmeiras no Morumbi. E muito consciente e com garra invejável, venceu a decisão do Paulista, por 2 a 0. Gols de Luan e Luciano.

Não precisou nem de Daniel Alves e Benítez que, contundidos, nem entraram em campo.

Igor Vinícius e Igor Gomes foram muito bem, serviram ao esquema tático, com competência impressionante.

"No fim do Brasileiro, contra o Palmeiras a gente brigando pela Libertadores, a bola bateu em mim. Eu fiquei muito chateado. Chorei muito. O preço de vestir essa camisa, gritar é campeão, a torcida merece", desabafou, enxugando as lágrimas, Luan.

"Tinha batido na trave em 2019, ano passado foi complicado com a gente perto do título do Brasileiro. Começar a temporada com o título da força, da confiança de lutar pelos nossos sonhos, mas sempre agradecendo a Deus, porque só a gente sabe o que passou nesses dois anos e meio, desabafou, o goleiro Tiago Volpi.

A vitória tem um dono. O treinador argentino foi capaz de montar um esquema perfeito, que não deu o mínimo espaço para o rival utilizar seu ataque velocista. Preencheu a sua intermediária e deixou os palmeirenses trocarem passes no seu campo. Ou insistirem com chutões, lançamentos sem sentido, que encontravam seus atacantes de costas, contra os zagueiros e volantes são paulinos.

A sorte bafejou o time mais competente. Aos 36 minutos, Felipe Melo afastou cruzamento na área e ela caiu na entrada da área. Luan teve tempo de matar a bola duas vezes com o peito e chutar forte. Ela desviou no próprio Felipe Melo e entrou. São Paulo 1 a 0.

A bola desviada em Felipe Melo traiu Weverton. Gol que fez justiça ao time melhor armado

A bola desviada em Felipe Melo traiu Weverton. Gol que fez justiça ao time melhor armado

Alex Silva/Estadão Conteúdo - 23/5/2021

O Palmeiras continuou engolido taticamente. Abel Ferreira não soube reagir. Seu time seguiu desprezando o meio de campo. Vivendo de chutes da intermediária para a entrada da área, que encontrava o exército tricolor.

No segundo tempo, nada mudou. Ou melhor, piorou para o Palmeiras. Com a entrada de Rodrigo Nestor, no lugar de Luan, contundido. E de Luciano, na vaga de Pablo. O São Paulo ficou muito mais objetivo, diante da passividade verde.

Até que os 31 minutos, Nestor desceu com todo espaço possível. E serviu para Luciano, livre dentro da área.

Gol decisivo, com gosto de título.

São Paulo campeão paulista de 2021.

O Palmeiras perdeu seu terceiro título no ano. Acumulou as frustrações da Supercopa do Brasil e da Recopa Sul-Americana. O trabalho de Abel Ferreira é brilhante. Mas está claro que ele precisa de outras opções no elenco.

Em compensação, o plano no Morumbi foi concluído com perfeição.

O São Paulo fez do Campeonato Paulista a sua Copa do Mundo, como cansou de repetir a diretoria de Julio Casares. Para ganhar um título e tirar um peso psicológico enorme, que atormenta qualquer time. 

O jejum.

Apostou como nenhum clube na disputa do torneio.

Com a montagem de um time extremamente competitivo, guerreiro e, absolutamente estratégico, nas mãos de Hernán Crespo.

Foi necessário chegar o treinador argentino para recuperar o que é fundamental a qualquer time: a confiança. Ele detectou rápido que tinha jogadores importantes, peças suficientes para montar uma grande equipe, competitiva, vibrante. Mas precisava tirar o peso de nove anos sem conquistas.

Vitória de quem encarou o Paulista como Copa do Mundo. Com justiça, São Paulo campeão

Vitória de quem encarou o Paulista como Copa do Mundo. Com justiça, São Paulo campeão

Maurício Rummens/Estadão Conteúdo - 23/5/2021

Além disso, como ex-jogador da Seleção Argentina e com passagem de 16 anos na Europa. Crespo trouxe estratégia, intensidade física. E confiança.

E, com sete anos de experiência como técnico, ele conseguiu juntar esquema, plano físico e lado psicológico.

E o São Paulo redescobriu o caminho das conquistas.

Justificando sua história...

Últimas