Cosme Rímoli São Paulo brinca com a sorte. E pode perder jogador de Seleção

São Paulo brinca com a sorte. E pode perder jogador de Seleção

Em março, Cipriano poderá assinar pré-contrato com outro clube

São Paulo brinca com a sorte. E pode perder jogador de Seleção

São Paulo

O São Paulo demonstrará hoje, contra o São Bento, o quanto sua gestão é amadora. 

Marquinhos Cipriano, apontado como uma das grandes revelações do futebol do país. Jogador da Seleção Brasileira sub-20. Atacante, veloz, hábil, canhoto. 18 anos.

Monitorado por Manchester United, Bordeaux, Juventus, Arsenal. Agentes ligados a estes clubes e outros, ligados a equipes brasileiras, como Flamengo, Palmeiras e Internacional sabem bem a situação.

O atacante que fará sua estreia hoje no futebol profissional, poderá assinar um pré-contrato no dia 14 de março e ir embora sem render um centavo para o São Paulo.

Seu contrato termina no dia 14 de setembro.

O clube presidido por Leco estará expondo seu jogador, sem a menor garantia legal de que seguirá com o atleta. Deixará tudo nas mãos dos seus empresários, Alexis Malavolta e Marcel Figer. Não há obrigação alguma de Marquinhos Cipriano seguir no Morumbi. É algo que beira o surreal.

E como se chegou a esta situação? 

A história é simples. O jogador pertencia ao Desportivo Brasil, time formador de jogadores, que disputa a Série A-3. A equipe fica em Porto Feliz. Era da Traffic, mas foi comprado pelo grupo chinês Luneng, dono do Shandong Luneng. Aos 15 anos, atuando pelo sub-17, jogou a Copa São Paulo de 2014. Se destacou. Marcou até o gol mais bonito do torneio. 

Jogou de novo, em 2015. Com 16 anos. Flamengo, Grêmio, Palmeiras, Santos, Corinthians, Internacional tentaram contratá-lo. Mas ele escolheu o São Paulo. Por três motivos. O primeiro, a família são paulina. O segundo, um desafio pessoal, já que havia sido recusado em teste no Morumbi. O terceiro, a participação do gerente da base, Rodolfo Canavesi. Ele trabalhava no Desportivo e tinha ótimo relacionamento com o São Paulo. Tanto que acabou sendo contratado pelo clube da capital.

A contratação foi considerada um feito. Por R$ 1 milhão, o São Paulo desbancou seus rivais. E assinou contrato de três anos com o atacante que pertencia à Seleção Brasileira sub-17. Ele continuou mostrando um ótimo futebol. Não se intimidou. Tanto que Edgardo Bauza chegou a levá-lo para treinar com profissionais. 

Mowa

Mas chegou 2017. E o gerente Rodolfo Canavesi percebeu que o vínculo do garoto com o São Paulo era pequeno demais. E seu salário baixo. O destaque da Seleção Brasileira sub-20, recebe R$ 15 mil. Procurou Cipriano e ofereceu um contrato de renovação por cinco anos. De acordo com pessoas ligadas à base do São Paulo, o contato não foi nada amistoso. Pelo contrário.

Ou Marquinhos Cipriano assinava ou não subiria para o profissional e nem mesmo disputaria a Copa São Paulo, principal janela para os garotos. O clima ficou insustentável. O jogador decidiu não assinar novo contrato. E Canavesi não o colocou para jogar pelo São Paulo na Copinha, torneio mais desejado pelo garoto. 

Mas continuaram as convocações do atacante para a Seleção Brasileira sub-20. Jogou o torneio de Toulon, chamado pelo técnico Carlos Amadeu. Canavesi recebeu convite e foi trabalhar no clube português Estoril, comprado pela Traffic. 

A relação com os dirigentes e os empresários e com Marquinhos Cipriano melhorou muito. Até porque Dorival Júnior o considera uma grande revelação. Tanto que o convocou para estar entre os profissionais desde a pré-temporada. Estará no banco, daqui a pouco, contra o São Bento.

Para deixar tudo ainda mais tenso, Fernando Garcia, empresário de Malcon do Bordeaux, quer comprar o jogador. Ele tem certeza que na janela do meio do ano, venderá Malcon para uma grande equipe europeia. E deseja levar Cipriano para o time francês.

Dorival e Raí conversaram com Marquinhos Cipriano no início da pré-temporada. Disseram que desejam que fique no São Paulo. Que faça um novo contrato. O jogador se mostrou surpreso com tanta consideração. Respondeu que quer seguir no Morumbi. O treinador e o executivo resolveram acreditar no garoto. E ele estará hoje no banco, com muita chance de jogar.

Raí e Dorival pediram para o jogador renovar

Raí e Dorival pediram para o jogador renovar

Mowa

Agentes de grandes clubes europeus e equipes brasileiras seguem com interesse o caso. E sabem que podem oferecer a possibilidade de um pré-contrato em março. 

O São Paulo está absolutamente nas mãos do garoto e dos seus empresários.

Lógico que Raí não quer passar por esse vexame público de fazer o São Paulo servir de vitrine para perder a jovem promessa daqui dois meses. E está pressionando para que aconteça o mais rápido possível, a renovação de contrato. E a fixação de enorme multa.

Marquinhos Cipriano garantiu que isso acontecerá.

O escritório Figer tem longo relacionamento com o clube.

Desde o pai Juan até o filho Marcel.

Mas é isso que o São Paulo Futebol Clube tem.

Um garoto que vale milhões de euros só está preso por uma promessa.

Basta esperar até março, assina um pré-contrato com quem quiser.

E no dia 14 de setembro vai embora, de graça.

E embolsa a quantia que São Paulo receberia.

É dessa maneira que os clubes brasileiros são geridos.

De forma mais amadora possível...

    Access log