Cosme Rímoli Paulo Nobre alega "falta de tesão". Mas não tem como vencer Leila

Paulo Nobre alega "falta de tesão". Mas não tem como vencer Leila

O ex-presidente do Palmeiras viu sua base política passar toda para Galiotte e Leila Pereira. Sem chances de voltar ao poder, alega falta de 'tesão'

Paulo Nobre, Palmeiras, Leila Pereira, Neymar, Bolsonaro

Paulo Nobre sabe que não tem chance alguma de enfrentar Leila Pereira

Paulo Nobre sabe que não tem chance alguma de enfrentar Leila Pereira

Palmeiras

São Paulo, Brasil

"Perdi o tesão de militar na política do clube.

"Essa é a grande verdade.

"Fiquei decepcionado com as pessoas.

"Pensei que, naturalmente, eu seria o braço direito do meu sucessor, assim como ele foi meu braço direito e um grande braço direito durante os quatro anos em que estive na presidência. Se ele preferiu montar uma equipe e eu fiquei fora, é claro que dói, mas é um direito dele

"(Mauricio Galiotte)É uma das pessoas com as quais mais me decepcionei na vida.

"(Leila Pereira) Uma linda mulher."

Com seu cabelo cumprido em coque, o ex-presidente Paulo Nobre mostrou o quanto está fraco politicamente para uma retomada no Palmeiras.

Ele foi o dirigente responsável pelo caminho do clube à modernidade, saindo da Segunda Divisão em 2013 para a conquista do Brasileiro de 2016.

Sem o constrangimento de levantar a taça com Dudu.

Nobre foi o presidente palmeirense mais rápido da história a ver explodida a sua base eleitoral.

Seu plano de ser presidente por dois mandato, eleger seu sucessor, Mauricio Galiotte, seguir como o responsável pelo futebol, e depois voltar, nos braços dos conselheiros, para dois novos mandatos foi abortado. 

Por conta de Leila Pereira, a quem só trata por "uma linda mulher". A amizade, a parceria acabou quando ele percebeu que, mais do que patrocinadora, ela desejava mandar no clube, ser a presidente em 2021, justamente o ano no qual esperava voltar, depois de presidir o clube entre janeiro de 2013 e dezembro de 2016.

"O Paulo Nobre é meu filho político", disse ao blog, o ex-presidente palmeirense, Mustafá Contursi. No entanto, logo, Mustafá viraria as costas ao seu 'primogênito', preferindo a Leila Pereira, 'filha caçula', que logo o abandonaria, por conta de um escândalo envolvendo ingressos que doava a Contursi e, de maneira estranha, acabavam sendo vendidos por torcedores organizados.

Paulo Nobre relembra que tirou o Palmeiras da Segunda Divisão

Paulo Nobre relembra que tirou o Palmeiras da Segunda Divisão

Agência Palmeiras

Sem Mustafá, com a bilionária patrocinadora contra, Nobre cometeu suicídio político ao indicar a empresa de investimento Black Star para concorrer com a Crefiisa. Ela doaria R$ 1 bilhão ao Palmeiras.

A empresa foi apresentada oficialmente por Nobre a Genaro Marino, candidato de oposição à reeleição de Galiotte. O Palmeiras oficialmente considerou falsos os documentos mostrados pela Black Star. 

Nobre acabou sendo convocado para explicações pelo Conselho Deliberativo. Foi advertido formalmente pela indicação 'equivocada' e que poderia prejudicar o clube.

Encurralado, Nobre renunciou ao cargo de conselheiro.

Garante que não concorrerá com Leila.

Diz ter perdido o 'tesão'.

Mas a verdade é que não tem mais força política.

A oposição palmeirense vive de crises no futebol.

Leila Pereiira e Galiotte. Dupla imbatível para Paulo Nobre

Leila Pereiira e Galiotte. Dupla imbatível para Paulo Nobre

Marivaldo Oliveira/Código19/Folhapress

Mas não tem força suficiente para travar Galiotte e Leila.

O dirigente mostrou à TV Gazeta sua fragilidade.

Seu tempo passou.

Criou inimigos poderosos demais.

O Palmeiras virou uma foto amarelada na parede.

Com ele dividindo a taça do Brasileiro com Dudu.

E como dói olhar para aquela imagem...