Palmeiras

Cosme Rímoli Palmeiras, revoltado com FPF. Reservas contra o Corinthians

Palmeiras, revoltado com FPF. Reservas contra o Corinthians

Clube pediu adiamento do clássico no Paulista. Por acontecer entre as finais da Copa do Brasil, contra o Grêmio. FPF negou. Haverá retaliação

Palmeiras entrará com reservas no clássico. Retaliação pela negativa de adiamento da FPF

Palmeiras entrará com reservas no clássico. Retaliação pela negativa de adiamento da FPF

Palmeiras

São Paulo, Brasil

Um ato de desprezo.

E que terá resposta.

Foi assim que a cúpula do Palmeiras recebeu a negativa da Federação Paulista de Futebol.

O pedido era simples.

O clube decidirá a Copa do Brasil contra o Grêmio.

Serão dois jogos, um neste domingo, em Porto Alegre, 28 de fevereiro.

E o outro, no outro domingo, dia 7 de março, em São Paulo.

Só que a tabela do Campeonato Paulista prevê o clássico entre Corinthians e Palmeiras, no dia 3 de março.

O presidente Mauricio Galiotte tinha a certeza que o presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, adiaria o jogo.

Para dar tempo ao representante paulista, na final da competição nacional, pudesse descansar uma semana para a decisão.

Como o jogo estava marcado para a segunda rodada, no início do Paulista, a direção do Corinthians aceitava o adiamento.

Até para um recíproca futura.

Mas acontece que Reinaldo Carneiro Bastos mandou avisar ao Palmeiras que o clássico está mantido.

Será quarta-feira, dia 3, em Itaquera.

A reação da diretoria palmeirense foi de revolta.

O clube e a FPF ficaram um ano e meio de relações cortadas.

Pela arbitragem na final do Paulista do 2018, vencido pelo Corinthians, no Allianz Parque.

 O juiz Marcelo Aparecido de Souza marcou um pênalti para o Palmeiras, de Ralf em Dudu. Mas, de forma estranha, ele voltou atrás. Na época, o VAR não era utilizado no Brasil.

E a cúpula do Palmeiras entrou na justiça, alegando interferência externa.

Alguém teria assistido ao lance pela tevê e viu que não foi pênalti e teria avisado ao árbitro.

A desconfiança era de um fiscal da própria FPF.

O Palmeiras não conseguiu provar e anular a partida.

O Corinthians foi campeão.

E o clube ficou um ano e meio rompido com a Federação.

A muito custo, amigos comuns de Galiotte e Carneiro Bastos reaproximaram os dois.

Um ano e meio depois.

O Palmeiras não mandava representante para as reunião da FPF.

E Galiotte manteve sua definição do estadual: Paulistinha.

No dia 7 de outubro de 2019 houve a paz.

Tudo estava tranquilo até ontem.

Quando a FPF negou o adiamento do clássico.

Galiotte já acionou o departamento de futebol.

E está certo que o Palmeiras jogará com reservas contra o Corinthians.

Se queria promover o 'seu' campeonato, Bastos conseguiu o contrário.

O mais importante clássico de São Paulo será disputado por suplentes palmeirenses.

Por falta de sensibilidade da FPF.

De cumprir a obrigação de proteger seu filiado.

Em uma decisão importantíssima.

O clube poderá conquistar sua Tríplice Coroa.

Ou seja: ganhar três títulos em uma temporada.

O Paulista, a Libertadores e a Copa do Brasil.

O Palmeiras até propôs jogar contra o Corinthians só com 48 hora de descanso, dois dias após o jogo decisivo diante do Grêmio.

A resposta foi não.

O veto vai mudar a relação do Palmeiras com a FPF.

Outra vez.

Aliás, já mudou...

Últimas