Cosme Rímoli Palmeiras, preguiçoso, vence o fraco Sport. 1 a 0

Palmeiras, preguiçoso, vence o fraco Sport. 1 a 0

O time de Abel Ferreira sabia que é muito mais forte. Marcou aos 34 minutos e desistiu de atacar. Administrou mais três pontos

  • Cosme Rímoli | Do R7

Gustavo Scarpa marcou um gol de centroavante. Foi o que bastou para o Palmeiras

Gustavo Scarpa marcou um gol de centroavante. Foi o que bastou para o Palmeiras

Palmeiras

São Paulo, Brasil

Uma partida preguiçosa, sem ambição de ir além do 1 a 0.

Esse foi o comportamento estranho, sem vibração, frio do Palmeiras, em Recife, na vitória diante do Sport. O gol foi de Gustavo Scarpa, depois de ótima jogada de Danilo pela ponta direita, cruzando para o meia que entrou como centroavante, estufando as redes de Mailson, aos 34 minutos do primeiro tempo.

Era como se o Palmeiras soubesse que o adversário pernambucano não tinha potencial para empatar. Abel Ferreira fez com a equipe impusesse um ritmo lento, deixando o tempo passar, se poupando de maneira clara. Como se o jogo não merecesse um desgaste a mais. 

Seria, e foi, mera burocracia, para contabilizar mais três pontos no Brasileiro.

Atuou no 4-3-3 até conseguir a vantagem no placar. Depois, passou a jogar em um modorrento 4-5-1. Enquanto Umberto Louzer tentava adiantar sua equipe, passar a marcar a saída de bola paulista. Mas faltava talento e força física. O elenco do Sport é muito fraco. Está claro que lutará apenas para não ser rebaixado.

Com a vitória, o Palmeiras chegou a 19 pontos em nove partidas.  

"Estou muito feliz pelo momento que estou vivendo. Para mim é muito importante jogar na minha posição, depois de muito sendo improvisado. Quando estou mais próximo do gol, tenho mais facilidade, tanto para dar assistência quanto para fazer gols", disse Gustavo Scarpa, o melhor jogador do Palmeiras, enquanto o time atacou.

Abel Ferreira foi o responsável pelo jogo sem emoção, modorrento, em Recife

Abel Ferreira foi o responsável pelo jogo sem emoção, modorrento, em Recife

Cesar Greco/Palmeiras

Depois de sofrer muito, atuando na pontas pontas direita e esquerda e até atuando como lateral, Gustavo Scarpa está podendo demonstrar seu grande poder ofensivo, atuando como meia, como ganhou destaque no Fluminense.

A partida foi exatamente como se desenhava, antes de começar.

Mesmo desfalcado de Gustavo Gómez, Viña e Weverton, na Copa América, e Kuscevic e Patrick de Paula, supensos, mais Rony, Victor Luiz e Willian no banco, e Luiz Adriano, contundido, o Palmeiras tratou de pressionar o Sport, buscando o gol que decidiria a partida.

Gustavo Scarpa era o jogador mais interessado. Articulando os ataques, trocando passes, fazendo lançamentos, finalizando. Não por acaso tem 12 assistências na temporada.

Tinha cinco gols.

Em Recife, marcou o seu sexto, acompanhando ótima jogada do versátil Danilo.

Gustavo Scarpa, o melhor do jogo. Pena que Abel quis que o Palmeiras se poupasse, após o gol

Gustavo Scarpa, o melhor do jogo. Pena que Abel quis que o Palmeiras se poupasse, após o gol

Cesar Greco/Palmeiras

Uma pena que Abel Ferreira tenha sido tão calculista. Era óbvio que ele sabia que seus jogadores eram muito melhores que o do time pernambucano. E tratou de administar a partida, travando a movimentação ofensiva, preferindo o preenchimento dos espaços, impedindo o Sport de atacar.

A partir dos 34 minutos, tempo do gol palmeirense, o confronto foi modorrento. Com pouquíssimas chances reais. E muito congestionamento nas intermediárias.

No segundo tempo, o Sport tentou acelarar o ritmo, buscar o empate na base da volúpia. Mas o Palmeiras estava muito bem postado e não sofreu para garantir a vitória fora de casa.

"Acho que a gente está criando pouco. A responsabilidade é minha, dos pontas, do André, Trellez. A defesa está fazendo o possível para defender,mas está faltando um pouco na frente. É melhorar um pouco mais, levantar a cabeça", disse Thiago Neves, figura decorativa no jogo.

Vitória palmeirense justa.

E preguiçosa...

Morte de jogador italiano durante homenagem a irmão é um mistério

Últimas