Cosme Rímoli No meio do furacão, ferido, Tite não vai pedir demissão

No meio do furacão, ferido, Tite não vai pedir demissão

Mesmo diante de ataques do primeiro escalão do governo, ameaça de boicote à Copa América, Caboclo, cobranças da imprensa, ele seguirá na seleção. Está ferido, mas não desistirá até a Copa

  • Cosme Rímoli | Do R7

Tite disfarça. Está ferido com tantos ataques. Agora até por parte do primeiro escalão do governo

Tite disfarça. Está ferido com tantos ataques. Agora até por parte do primeiro escalão do governo

CBF

São Paulo, Brasil

Tite está ferido.

Soube da possibilidade de o presidente afastado da CBF, Rogério Caboclo, trocá-lo por Renato Gaúcho. 

E da tentativa de politização da sua insatisfação com a Copa América no Brasil, de milhares de pessoas, o jogando contra o governo Bolsonaro. Dos ataques do vice-presidente Mourão, sugerindo que o treinador assuma o Cuiabá. E do senador e filho do presidente, Flávio Bolsonaro, o chamando de 'puxa-saco de Lula'.

Mas o que de melhor se filtrou da entrevista coletiva de hoje, véspera do jogo contra o Paraguai, é que o treinador não vai pedir demissão.

Não pedirá para sair depois do jogo contra o Paraguai.

Muito pelo contrário, seus planos são de seguir até a Copa do Mundo de 2022. E estará comandando a seleção na Copa América.

Já tem até a confirmação de que o cargo de treinador seguirá sendo seu. A certeza veio do próprio coronel Antônio Nunes, presidente interino. Nada de Renato Gaúcho, agora.

"Vou falar sobre o meu juízo e o que a minha escala de valores dizem. Tenho muito respeito ao meu trabalho, à seleção brasileira, a esse momento da Copa do Mundo e de eliminatórias."

"E a melhor maneira de retribuir o carinho das pessoas que me apoiam e ao respeito dos que estão contra, é fazer o meu melhor trabalho possível. É nisso que vou me ater", garante.

Foi perguntado de forma direta, se um treinador de uma seleção nacional precisa estar alinhado com o governo de seu país.

O afastamento de Caboclo foi o melhor para Tite. Presidente nega, mas poderia demiti-lo

O afastamento de Caboclo foi o melhor para Tite. Presidente nega, mas poderia demiti-lo

CBF

Tite deixou claro que não é segredo para ninguém. Ele não está alinhado com o presidente Jair Bolsonaro. Daí a pressão por parte de governistas para que deixe o cargo.

"Técnico de futebol tem que estar alinhado com o futebol."

Ele disse que não foi ameaçado de demissão por parte de Rogério Caboclo. Não quis se extender na resposta, já que também não é algo secreto que os dois estavam se desentendendo depois da reunião que os jogadores exigiram, avisando que não queriam disputar a Copa América.

Haverá a manifestação dos atletas e do próprio treinador após a partida contra o Paraguai, amanhã. Eles irão se posicionar em relação à Copa América.

O treinador não quis adiantar nada sobre o que farão.

"O tempo das manifestações é o nosso tempo, o que nós entendemos ser correto, quando falo nós, é comissão técnica e atletas. Temos orgulho muito grande da conduta que temos, do respeito que temos a esse momento e ao nosso. Quero sim, estar de corpo e alma, fazendo o melhor trabalho possível. Queremos jogar bola e fazer um grande jogo contra o Paraguai."

Tite teve de admitir que a turbulência vivida nestes últimos dias atrapalhou a preparação da seleção para o jogo de amanhã.

"Ela (preparação) tem sido bastante difícil, porque o momento social é esse. As pessoas acham que temos que ter opinião para tudo. Nós temos que ter capacidade e lugar de fala sobre o que nos diz respeito. É isso o que fazemos com muito amor e paixão."

"Nós temos dito que temos uma capacidade e inteligência emocionais muito grandes, para saber filtrar as situações, ter tranquilidade, sensatez, apesar das provocações que fazem. Claro que atrapalha, sim, é desafiador. Vamos precisar disso de novo no jogo contra o Paraguai, essa abstração e foco. Externo isso de forma pública o que falei a eles."

Tite conta com o apoio dos jogadores. Todos querem que ele siga na seleção

Tite conta com o apoio dos jogadores. Todos querem que ele siga na seleção

CBF

Ele está ferido, mas ciente do mais importante.

Sobreviveu.

A saída de Caboclo foi um bênção para ele.

Ninguém acredita na CBF na negativa do presidente de que não iria demitir Tite. Ninguém.

O cargo de treinador da seleção é seu.

Só não será até a Copa, se Tite não quiser...

De Havelange a Caboclo, veja as grandes crises na trajetória da CBF

Últimas