Cosme Rímoli Inter oferece metade do salário a Pato. Quer jogador, não mídia

Inter oferece metade do salário a Pato. Quer jogador, não mídia

Clube sabe que Pato se deslumbrou, se perdeu na carreira. Oferece contrato de produtividade. R$ 350 mil. Ele vai ter de jogar e marcar, por salário milionário

  • Cosme Rímoli | Do R7

Inter se propõe a pagar por produtividade

Inter se propõe a pagar por produtividade

Franck Robichon/EFE - 13.12.2006

São Paulo, Brasil

Produtividade.

Este é o antídoto que a diretoria do Internacional pretende para não jogar dinheiro pelo ralo, com Alexandre Pato.

Nada de repetir o que fez o São Paulo, oferecer contrato longo e milionário para o instável atacante.

A sua tendência à falta de comprometimento, irritação com a reserva é algo que fez o presidente Marcelo Medeiros oferecer a metade que o atacante ganhava no Morumbi.

Só em salários, recebia R$ 700 mil.

Mas as luvas elevavam seus ganhous a R$ 1,1 milhão.

Fazendo ou não gols.

Jogando ou não.

Só Daniel Alves, com R$ 1,5 milhão, ganha mais.

A proposta do Internacional é de R$ 350 mil.

A expectativa sobre Pato era enorme. Carreira foi frustrante

A expectativa sobre Pato era enorme. Carreira foi frustrante

Reprodução/Placar

No contrato que já foi aceito verbalmente há cláusulas importantes. 

O número de jogos como titular.

De gols.

Tudo serve como acréscimo.

Ou para o salário seguir na metade do que recebia.

A verdade é que Pato dividiu o Beira-Rio.

Seu comportamento, deslumbrado com o mundo da celebridade, tirou o foco do seu grande potencial, para vários dirigentes.

13 anos mudam qualque pessoa.

E Alexandre Pato não é mais aquele garoto que chegou de Pato Branco, cidade pequena do Paraná, que acabou virando seu apelido.

O ego é algo preocupante.

Ainda mais porque está sendo contratado como substituto de Paolo Guerrero, que operou o ligamento cruzado no joelho direito.

A estrela do ataque do Internacional é o peruano.

O atacante tem o aval de quem não trabalhou com ele, o argentino Eduardo Coudet.

O jogador decidiu, aos 30 anos, que deve gerir a própria carreira.

Dispensou Gilmar Veloz e também André Curi.

Agora, ele e seu pai, Geraldo Rodrigues, administram seus passos.

As negociações com o Internacional estão adiantadas.

Pato precisa ter consciência. A grande estrela do Internacional é Guerrero

Pato precisa ter consciência. A grande estrela do Internacional é Guerrero

Ricardo Duarte/Internacional

E podem ser concluídas nas próximas horas.

Mas de uma coisa o clube não abre mão.

Produtividade.

Se produzir, Pato terá salário milionário.

Se não, não ganhará o que está acostumado.

O clube gaúcho só investirá no seu futebol porque não terá de comprar seus direitos.

Pato conseguiu ser midiático.

Mas não o jogador que indicava que seria, há 13 anos.

E o Inter precisa de gols.

Não de pose...

Fla, Palmeiras, São Paulo: veja novas camisas dos times do Brasileirão

Últimas