Inspirado em Trump, Bolsonaro quer Flamengo e Vasco em Brasília

Presidente convocou a cúpula de Flamengo e Vasco. Quer os clubes treinando em Brasília. E usar o futebol para amenizar a tensão da pandemia

Bolsonaro vestiu camisa do novo uniforme do Flamengo. Quer times em Brasília

Bolsonaro vestiu camisa do novo uniforme do Flamengo. Quer times em Brasília

Reprodução Twitter

São Paulo, Brasil

"No momento, existe já muita gente que entende, que está no meio futebolístico, que é favorável à volta porque o desemprego está batendo à porta dos clubes também."

"Com essa idade jovem, o jogador, ele dificilmente, caso ele seja acometido do vírus, a chance de ele partir para a letalidade é infinitamente pequena."

"Até pelo estado físico, pela higidez (saúde) que tem esse atleta."

"Agora, eles têm que sobreviver."

As palavras são do empolgado Jair Bolsonaro.

O presidente do Brasil quer seguir o caminho de Donald Trump e Angela Merkel.

Assessores disseram que Bolsonaro ficou 'animadíssimo' quando soube da volta do UFC e da Bundesliga.

O presidente sabe que o esporte tem a força de amenizar o foco da terrível pandemia do coronavírus.

E tratou de adaptar o plano que havia traçado com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha.

Como a Ferj não quer de maneira alguma que o Campeonato Carioca seja decidido em Brasília, a saída, para ter os elencos do Flamengo e do Vasco na capital federal, foi convidar os presidentes dos dois clubes e tratar de 'amarrar' um período de treinos, antes da volta do Estadual.

Bolsonaro sempre apostou na força de entretenimento do futebol

Bolsonaro sempre apostou na força de entretenimento do futebol

Reprodução Twitter

É uma manobra de Bolsonaro para driblar a proibição do governador Wilson Witzel, que não permite a volta do futebol no Rio. Assim como o prefeito Marcelo Crivella, que não aceita nem o retorno aos treinos.

No almoço em Brasília, o governador do Distrito Federal ofereceu instalações para os clubes e até para os familiares dos jogadores.

A reação do presidente do Vasco, Alexandre Campello, foi favorável.

Já o do Flamengo, Rodolfo Landim, acabou reticente.

Almoço dos dirigentes com o presidente Bolsonaro e seu filho Flávio

Almoço dos dirigentes com o presidente Bolsonaro e seu filho Flávio

Reprodução Twitter

Ele sabe que o elenco segue abalado com a morte, pelo coronavírus, do massagista Jorginho. E que três atletas testaram positivo no início de maio.

Caso aconteçam os treinos, os elencos, com seus familiares, irão do Rio para Brasília, com aviões fretados.

O estádio Mané Garrincha foi oferecido por Ibaneis. O hospital de campanha foi montado no complexo da arena de R$ 2 bilhões. Não no gramado.

A definição deverá acontecer até sexta-feira.

Bolsonaro está animado...

Namorado da mãe de Neymar é acusado de agredir a ex na Espanha