Campeonato Brasileiro

Cosme Rímoli Humilhado com a goleada para o Bragantino, Abel Ferreira assume. Palmeiras desiste do Brasileiro

Humilhado com a goleada para o Bragantino, Abel Ferreira assume. Palmeiras desiste do Brasileiro

Vaiado, xingado de 'time sem vergonha' pela torcida, que reencontrou depois de um ano e sete meses, Palmeiras é goleado pelo Bragantino por 4 a 2. A 14 pontos do líder Atlético, Abel focará a Libertadores

  • Cosme Rímoli | Do R7

Artur, excelente atacante que o Palmeiras desperdiçou, marcou dois gols na goleada

Artur, excelente atacante que o Palmeiras desperdiçou, marcou dois gols na goleada

Ari Ferreira/Red Bull Bragantino

São Paulo, Brasil

"Vergonha, time sem-vergonha."

"Ei, Abel, vai tomar no ..."

"Ei, Galiotte, vai tomar no ..."

Raiva, irritação, revolta. 

Esses foram os sentimentos que marcaram o reencontro da torcida com o Palmeiras, depois de um ano e sete meses de separação.

A derrota por goleada para o Red Bull Bragantino por 4 a 2, no Allianz Parque, afasta o clube da disputa do Brasileiro. A distância para o líder Atlético Mineiro já é de 14 pontos. E abala os jogadores e Abel Ferreira a 48 dias da disputa da final da Libertadores da América contra o Flamengo.

O treinador português, encurralado, preferiu encarar a realidade.

Assume que o Palmeiras está fora da briga pelo Brasileiro.

"Eu tenho que ser realista, não posso vender sonhos.

"Quando você vê um Atlético Mineiro fortíssimo, sem facilitar nada... Quando você vê um Flamengo fortíssimo...

"E nesse momento o Palmeiras não está forte.

"Estamos em um mau momento e temos que assumir."

O treinador havia avisado o também xingado presidente Mauricio Galiotte. No começo do ano ele pediu reforços para ter mais alternativa para montar o Palmeiras. Não ficar refém de uma maneira de jogar, como está acontecendo. Os adversários sabem o quando o time é reativo e dependente de bolas longas em contragolpes de seus atacantes velocistas.

Palmeiras mostrou enorme fragilidade defensiva. Se não fosse Jailson, vergonha seria muito maior

Palmeiras mostrou enorme fragilidade defensiva. Se não fosse Jailson, vergonha seria muito maior

Cesar Greco/Palmeiras

Como Mauricio Barbieri, treinador do Red Bull Bragantino, que, com uma marcação intensa, muita vibração nas intermediárias, não só travou o Palmeiras como explorou sua marcação frouxa, nervosismo, afobação, o espaço dado para o time chutar a gol, a defesa em linha.

A goleada não foi por acaso. Jailson ainda fez duas excepcionais defesas, que evitaram humilhação maior.

A derrota marcou quatro partidas sem vitórias no Brasileiro, na reta decisiva. Sem saída, Abel Ferreira deixou claro que irá usar o campeonato para preparar a melhor equipe ao dia 27 de novembro, na final da Libertadores, contra o Flamengo. E não quis se esconder atrás dos desfalques de Weverton, Gustavo Gómez e Piquerez, todos convocados para as Eliminatórias.

"Temos muitos jogos ainda, mas temos que lembrar que temos um jogo dia 27 e são esses jogos que vão nos preparar para lá. Esses são nossos jogadores e apesar das ausências vamos trabalhar para fazer mais e melhor."

"Somos o Palmeiras e jogue quem jogar, os mais experientes ou mais jovens, é o Palmeiras. Todos nós temos responsabilidade e tenho que achar soluções. Quando as coisas não estão bem tem que trabalhar mais e melhor."

As vitórias do Atlético Mineiro e do Flamengo sobre o Ceará e Fortaleza foram duros golpes na luta para a liderança. A rodada não poderia ser pior.

A desilusão dos cerca de oito mil palmeirenses foi enorme. E só se tornou audível ao final do jogo, quando pararam de vibrar, aplaudir. Xingaram o time, o treinador e o presidente.

"Estamos mal, um momento de dor para quem gosta do Palmeiras. Queremos mais e melhor da nossa equipe. Mas é isso que quero dos nossos torcedores. Se eu puder falar algo que possa consolar o torcedor é que nos apoie o jogo todo, como fizeram hoje, e no final se for para cobrar, como cobraram, é isso que eu como treinador quero.

"Hoje para mim fica o registro positivo que durante os 90 minutos a torcida do Palmeiras apoiou sempre a equipe", dizia, tentando buscar algo de bom na vergonhosa noite.

Abel Ferreira. As críticas ao treinador português só crescem dentro do Palmeiras

Abel Ferreira. As críticas ao treinador português só crescem dentro do Palmeiras

Cesar Greco/Palmeiras

Há um desgaste cada vez maior de Abel.

As críticas da imprensa pela maneira defensiva com que monta o time e a falta de imaginação da equipe, quando atua em casa e tem a obrigação de atacar, já chegaram aos conselheiros. 

O treinador está longe de ser unanimidade.

Como já foi.

Nem ele está feliz no Palmeiras...

Futebol e os Tios Patinhas: Conheça bilionários que são donos de clubes

Últimas