Grêmio e Inter mostraram sua força. Times voltam a treinar

Governo do estado ficou dividido em relação aos treinamentos, por conta da pandemia. Mas a união dos clubes dobrou a resistência. Treinos liberados

Presidentes do Grêmio e do Inter juntos. Dobraram decreto e times treinam

Presidentes do Grêmio e do Inter juntos. Dobraram decreto e times treinam

Reprodução Twitter

São Paulo, Brasil

A dificuldade aproxima.

As diretorias dos clubes mais rivais no país se juntaram

Grêmio e Internacional trabalharam juntos para pressionar o governo estadual do Rio Grande do Sul.

E conseguiram o direito de treinar, em plena pandemia.

Houve uma enorme confusão.

Os clubes já treinavam na semana passada, seguindo os protocolos copiados das equipes alemãs.

Não se cogitava a volta do Campeonato Gaúcho.

Por conta da curva ascendente da pandemia do coronavírus, que já chegou a 164.361 casos e levou 11.253 vidas no país.

O governo gaúcho dividiu o estado por cores. 

Amarelo: risco baixo.

Laranja: risco médio.

Vermelho: risco alto.

Preto: risco altíssimo.

Porto Alegre ficou com a cor laranja.

E houve divergência de interpretações.

Na verdade, uma ala do governo de Eduardo Leite queria o fim dos treinamentos dos principais clubes. E outra entendia que não haveria problemas, se os treinos fossem com a garantia de distanciamento entre os jogadores.

Os dirigentes do Grêmio e do Internacional queriam a volta definitiva dos treinos para que os seus patrocinadores e seus fornecedores de material esportivo fossem expostos. E seguissem pagando os clubes, mesmo sem jogos.

Houve muita conversa.

Unidos, o presidente do Internacional, Marcelo Medeiros, e do Grêmio, Romildo Bolzan Junior, conseguiram pressionar assessores de Leite. 

Conversaram sobre a necessidade da volta aos treinos.

E asseguraram que os atletas estariam em segurança.

A reação da imprensa gaúcha sobre o cancelamento dos treinos desta manhã de segunda-feira foi firme. O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan, deixava claro que tinha de seguir a determinação do governador.

A pressão dos maiores clubes do Rio Grande do Sul dobrou o governador.

Ficou tudo como 'mal entendido'.

E os clubes voltaram a estar autorizados a treinar.

A volta do Gaúcho só deve acontecer, no entanto, entre julho e agosto, dependendo da curva do coronavírus.

O Rio Grande do Sul teve até ontem, 2.542 casos de coronavírus. E 97 mortes.

Grêmio e Inter mostraram o quanto são fortes.

Já estarão treinando ainda hoje.

E mostrando seus patrocinadores...

Colega de Ronaldo na Inter 'se perdeu' nas drogas e hoje é padeiro