Novo Coronavírus

Cosme Rímoli Governo de São Paulo é contra a volta do futebol, durante pandemia

Governo de São Paulo é contra a volta do futebol, durante pandemia

Um dia depois de o Brasil bater o recorde de mortos em um só dia, 204 pessoas, FPF e dirigentes discutem volta do Paulista. Governador é contra

  • Cosme Rímoli | Do R7

Hospital de campanha em uso no Pacaembu. Já houve até a primeira morte

Hospital de campanha em uso no Pacaembu. Já houve até a primeira morte

Anderson Lira/Estadão Conteúdo

São Paulo, Brasil

Na véspera da reunião de hoje, marcada para as  15 horas, entre a Federação Paulista de Futebol e os 16 clubes que disputam o Estadual, terrível a notícia. 

O Brasil bateu recorde de mortos em um só dia, por conta do coronavírus, 204 pessoas. 

Até ontem já eram 1.532 pessoas que perderam a vida pela pandemia.

695 vítimas morreram no território paulista.

O estado tem registrado 9.371 casos.

É o epicentro da epidemia no país.

Um twitter importante se manifestou na noite de ontem, terça-feira. 

"Dois governadores diagnosticados com COVID-19 no mesmo dia.

"Um no Norte (Helder Barbalho, Pará) e outro no Sudeste (Wilson Witzel, Rio de Janeiro).

"Alerta importante que o coronavírus continua avançando pelo Brasil. Por isso, reforço: fique em casa.

"Cuide da sua saúde e de quem você ama."

Foi escrito pelo governador de São Paulo, João Dória.

Ele garantiu ontem também que será mais rígido com o monitoramento das pessoas.

Quer 70% dos paulistas em casa.

E em reunião virtual com seus secretários, inclusive o de Esportes, Aildo Rodrigues Ferreira, ele deixou claro. 

A quarentena decretada até o dia 22 deste mês, será prorrogada.

Doria vai ampliar quarentena. E não vê como liberar shows ou futebol

Doria vai ampliar quarentena. E não vê como liberar shows ou futebol

ANDERSON LIRA/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Hospitais de campanha no Pacaembu e no complexo do Ibirapuera seguirão recebendo pacientes para desafogar hospitais, repletos de doentes.

Infelizmente morreu o primeiro infectado no tradicional estádio de futebol paulista.

A Secretaria de Saúde avalia a real possibilidade de usar os estádios do São Paulo, Palmeiras e Corinthians e montar novos hospitais de campanha.

Diante desse quadro, Aildo Rodrigues, sabe: a volta de shows e do futebol no estado estão descartados, sem previsão de retorno.

Nem mesmo com os portões fechados, que colocaria em risco a saúde dos atletas e árbitros. Podendo ainda atrair torcedores para o lado de fora dos estádios.

O presidente da Federação Paulista de Futebol, Reinaldo Carneiro Bastos, soube do endurecimento da postura de Doria.

E, apesar de pressionado, principalmente por clubes pequenos, desesperados por dinheiro e fim de contrato dos seus jogadores, o dirigente não terá, como sonhava, como marcar o retorno do Paulista para o início de maio.

A postura do governo de São Paulo é firme, intransigente.

Não foi por acaso que a Comissão Nacional de Clubes anunciou que a esmagadora maioria das equipes da Série A e B prorrogaram suas férias até o dia 30 de abril. Apenas Flamengo, Vasco e Botafogo esperam resultados de estudos para voltarem ou não aos treinos no dia 21 para o retorno do Campeonato Carioca.

Felipe Melo e Marcos Rocha. Palmeiras: férias forçadas até 30 de abril

Felipe Melo e Marcos Rocha. Palmeiras: férias forçadas até 30 de abril

Reprodução Instagram

Os clubes paulistas, Palmeiras, São Paulo, Corinthians e Santos, não. Seus dirigentes prorrogaram as férias dos jogadores porque sabem que o Campeonato Paulista não será retomado, com muito otimismo, antes da segunda quinzena de maio.

Na convocação para a reunião virtual dos clubes, a Federação Paulista fez questão de destacar.

"Ressaltamos que a volta das competições só se dará no momento adequado, de acordo com todos os prazos e protocolos determinados pelas autoridades de saúde estadual e federal."

Reinaldo sabe que as 'autoridades de saúde estadual' estão firmes, contra o retorno do futebol. 

Os grandes clubes já estão em férias até o dia 30 de abril. Necessitarão de, pelo menos, dez dias de treinos, para voltar às competições. Isso se houver como, já que infectologistas garantem que o pico da pandemia será entre maio e junho.

O Palmeiras reafirma que só entrará em campo se não houver o menor risco para seus atletas. Com a liberação do futebol por parte da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde.

Presidente da Federação Paulista sabe. Retorno do futebol está travado

Presidente da Federação Paulista sabe. Retorno do futebol está travado

FPF

A situação é muito complicada.

E a FPF tem um inimigo poderoso para a volta do futebol em plena pandemia.

O governo de São Paulo...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.

Craque Neto tira onda com família de Neymar por namorado da mãe

Últimas