Cosme Rímoli Fácil demais. O Palmeiras fez o que quis com o fraco Fluminense. 3 a 0

Fácil demais. O Palmeiras fez o que quis com o fraco Fluminense. 3 a 0

Luiz Adriano marcou todos os três gols. O time de Mano Menezes até se poupou, diante do fraca e mal armada equipe do Fluminense. Fácil demais

Palmeiras, Fluminense, Luiz Adriano, Neymar, Bolsonaro

Com três gols, Luiz Adriano determinou a diferença entre os clubes

Com três gols, Luiz Adriano determinou a diferença entre os clubes

Adriano Spaca/Estadão Conteúdo - 10.9.2019

São Paulo, Brasil

Desde 16 de setembro de 2015, há praticamente quatro anos, nenhum do jogador do Palmeiras marcava três gols.

Foi o argentino naturalizado paraguaio Barrios. No Maracanã, em uma goleada justamente contra o Fluminense, por 4 a 1.

Hoje coube a Luiz Adriano se aproveitar do péssimo sistema defensivo do Fluminense. Muito mais por culpa de Oswaldo de Oliveira do que falhas individuais dos seus jogadores.

Seu time sofreu mais uma derrota impactante. 

3 a 0 para o Palmeiras, na arena do time paulista.

Mano Menezes não teve trabalho diante de uma equipe fraca, que não sabe o que faz em campo.

Lenta, improdutiva, sem objetividade.

Perdida na marcação.

Estática como um time de pebolim.

Não por acaso, o Fluminense está enterrado na zona do rebaixamento.

A troca de Fernando Diniz por Oswaldo de Oliveira deixou o time muito pior.

Já o Palmeiras encostou de vez no vice-líder Santos. Tem 36 pontos e o time de Jorge Sampaoli, 35.

E ficou só a três pontos do Flamengo. Abrindo, em compensação, quatro pontos de distância do quarto colocado, o Corinthians.

Os gols de Luiz Adriano determinaram bem a distância, entre um clube que briga para ser campeão, e o outro que terá de reagir, se reinventar, para não visitar a Segunda Divisão.

"Fico muito feliz de poder fazer esses três jogos em uma partida tão importante para nós. A minha volta ao Brasil foi bem planejada com a estrutura do clube e a conversa que tivemos. Está sendo muito bom", dizia, feliz, Luiz Adriano, com a bola do jogo embaixo do braço. A levava como lembrança desta atuação marcante.

Luiz Adriano teve uma noite de festa contra o lento, escancarado Fluminense

Luiz Adriano teve uma noite de festa contra o lento, escancarado Fluminense

Palmeiras

Mano Menezes colocou o Palmeiras para marcar sob pressão o Fluminense. Sabia que, se seu time abrisse logo o placar, o emocional do time de Oswaldo de Oliveira cairia a zero.

Foi o que aconteceu.

A pressão do time paulista expôs toda a fragilidade do sistema defensivo carioca. A começar pelos volantes e a própria zaga, muito distante, espaçada.

Incrível o péssimo trabalho de Oswaldo de Oliveira.

As linhas de marcação do Fluminense estavam espaçadas. 

Um convite ao desastre.

E ele começou a se concretizar aos oito minutos, quando Luiz Adriano pegou o rebote de um chute fortíssimo de Diogo Barbosa na trave, depois de passe de grande visão de Willian. 1 a 0.

O Fluminense estava entregue.

Time aberto, distante, com ritmo dos anos 90 contra uma equipe superior e conectada com a realidade. 

Paulo Henrique Ganso, Nenê, talentosos,  mas sem o menor poder de marcação, integração com o time. sem a bola. Inadequação para o futebol moderno.

Mano Menezes. Seriedade. Vitória sem correr risco algum

Mano Menezes. Seriedade. Vitória sem correr risco algum

Reprodução Twitter

Airton, volante com talento para sair com a bola dominada. Mas sem travar, diminuir o espaço dos meias adversários.

O Fluminense chegou a ter mais posse de bola do que o Palmeiras no primeiro tempo. Como? Trocando passes laterais, sem penetração, sem oferecer perigo.

O time de Mano, mais consciente do que nos tempos de Felipão, tinha o jogo dominado. Seus ataques em bloco e contragolpes velozes, com os meias e atacantes trocando de posição constantemente, desorientavam a zaga carioca.

No segundo tempo, Luiz Adriano teve até mais liberdade para marcar seu primeiro hat-trick na volta ao futebol brasileiro.

Aos 12 minutos, gol tradicional do Palmeiras. Dudu recebeu e desceu em velocidade pela direita. Dele, o passe/cruzamento perfeito para Luiz Adriano: 2 a 0, Palmeiras.

O Fluminense abaixou a cabeça de vez.

O que foi ótimo para Luiz Adriano, completar com uma testada firme, e livre, diante do desesperado Muriel, sua noite de festa particular. 3 a 0, aos 17 minutos.

Mano, com a vitória garantida, pediu para seus jogadores diminuírem o ritmo. Saborear o resultado.

Luiz Adriano teve de mostrar criatividade para comemorar seus gols

Luiz Adriano teve de mostrar criatividade para comemorar seus gols

Reprodução Twitter

Ao Fluminense coube agradecer aos céus por não sofrer uma goleada humilhante.

O Palmeiras segue com toda a possibilidade brigar pelo título.

Já o Fluminense, com Oswaldo de Oliveira, flerta perigosamente com o rebaixamento.

A diferença entre os times é enorme...

Neymar é único brasileiro no Top 10 do Fifa 20!