Coronavírus

Cosme Rímoli Dignidade. Seleção feminina não aceita furar a fila para ser vacinada

Dignidade. Seleção feminina não aceita furar a fila para ser vacinada

Jogadoras não aceitam a possibilidade de o Comitê Olímpico ou a CBF as vacinarem antes do povo. Postura firme, pública. E digna

  • Cosme Rímoli | Do R7

Andressa, atacante da seleção e da Roma, não aceita furar a fila para ser vacinada

Andressa, atacante da seleção e da Roma, não aceita furar a fila para ser vacinada

CBF

São Paulo, Brasil

Há uma séria briga política em Brasília.

Empresas bilionárias fazem lobby pelo direito de comprarem vacinas contra a covid-19.

E aplicá-las em seus funcionários.

Cortando a fila por idade, definida pelos governos estaduais.

Em compensação, o mesmo número de vacinas reservadas aos funcionários precisará ser doado ao Sistema Único de Saúde, para imunizar a população.

A Câmara de Deputados já aprovou o projeto.

Mas há a necessidade de análise da liberação do Senado.

Se aprovada, a sanção presidencial é obrigatória.

Entre as empresas bilionárias, com esse poder, há a CBF.

Em 2019, a entidade chegou a mais de R$ 1,3 bilhão.

O plano do presidente Rogério Caboclo é vacinar não só os funcionários da entidade.

Mas todos os jogadores e jogadores das seleções para que o Brasil possa disputar torneios e amistosos sem problemas.

Esse também é o interesse do Comitê Olímpico, para garantir a disputa dos Jogos em Tóquio.

Só que nem Caboclo, nem a cúpula do Comitê Olímpico esperavam tanta dignidade por parte das jogadoras da seleção brasileira feminina de futebol.

Elas não aceitam serem vacinadas, desrespeitando a prioridade: as pessoas idosas.

Ficaram revoltadas com a possibilidade de furar a fila, graças ao dinheiro da CBF, ou da ganância do Comitê Olímpico.

"Acho que a maioria das atletas gostaria de tomar a vacina, para ter essa segurança, mas é uma coisa que, hoje, tem que ser dada prioridade para quem precisa mais e corre mais risco. Concordo com a Andressa. Não é por sermos atletas que devemos ter privilégio."

"Tem que pensar mais na população em geral. A gente vai se cuidar. Há várias maneiras para chegarmos lá", disse a zagueira Rafaelle, do Changchun Yatai, em entrevista coletiva, ontem.

Rafaelle. "Não é por sermos atletas que devemos ter privilégio." Consciência

Rafaelle. "Não é por sermos atletas que devemos ter privilégio." Consciência

CBF

A atacante Andressa, da Roma, foi ainda mais firme.

"No meu ponto de vista, como ser humano, os atletas têm que ser os últimos a serem vacinados. Há pessoas que precisam mais que a gente neste momento. Há outras maneiras de se preparar e chegar em Tóquio com segurança."

"Chegar ao menos 15, 20 dias antes [da Olimpíada], fazer os exames que a gente faz no cotidiano."

Há um consenso entre as jogadores.

E até a treinadora sueca Pia Sundhage, 61 anos, segue pelo mesmo caminho.

Esperar dignamente a fila da vacinação...

Com três brasileiros, Uefadivulga seleção das quartas da Champions

Últimas