Cosme Rímoli Diego Souza marcou. Derrota amarga e injusta do São Paulo

Diego Souza marcou. Derrota amarga e injusta do São Paulo

O time de Fernando Diniz foi melhor do que o de Renato. Até tomar o gol. O empate serve para o Grêmio no Morumbi

  • Cosme Rímoli | Do R7

Diego Souza deu um giro espetacular. E deu a vitória injusta e importantíssima ao Grêmio

Diego Souza deu um giro espetacular. E deu a vitória injusta e importantíssima ao Grêmio

Grêmio

São Paulo, Brasil

O São Paulo massacrava, encurralava o Grêmio, em Porto Alegre.

Tinha 63% de posse de bola.

Sete chutes a gol, contra apenas um do clube gaúcho.

Fernando Diniz havia orientado para o seu time, do meio para a frente, trocar a bola de primeira, para desorientar a forte marcação gremista.

Mas bastou Renato Gaúcho colocar Ferrerinha, atacante veloz, leve, driblador. 

Aos 17 minutos do segundo tempo, ele partiu para cima de Reinaldo, passou por ele como quis e cruzou, Volpi desviou, a bola sobrou para Diego Souza, que girou no ar e acertou uma surpreendente puxada para o fundo do gol.

O Grêmio, de maneira injusta, marcava 1 a 0.

O  gol mudou toda a dinâmica do jogo, enervou o São Paulo e deu confiança ao time gaúcho.

A marcação gremista conseguiu segurar o fundamental resultado, no primeiro jogo da semifinal da Copa do Brasil.

Agora, o time de Renato Gaúcho precisa apenas de um empate, na próxima quarta-feira, no Morumbi, para chegar à decisão.

Resultado importantíssimo.

"1 a 0 é um placar que dá para reverter, vamos com essa mentalidade", dizia, irritado, Luciano.

"Contra o São Paulo tem que ser assim, é um time muito bem treinado. Lutamos o tempo inteiro, porque se for menos que isso não teríamos sucesso. A equipe está de parabéns, fomos no limite, conseguimos uma vantagem importante", comemorava Diego Souza.

O São Paulo foi muito valente. Tomou a iniciativa do jogo, tratou de tentar seguir o caminho do Santos, que despachou o time gaúcho da Libertadores, há uma semana. O da velocidade.

O Grêmio tem um sério problema de marcação na intermediária, quando encontra adversários que tocam bem a bola e impõem um ritmo rápido no jogo. 

Foi assim que com Daniel Alves, Igor Gomes, Luciano, Sara e Brenner, o time de Fernando Diniz dominou as intermediárias. O Grêmio respondia com muita luta, dedicação e divididas com muita força. Era Renato assumindo ter um elenco com menos recurso, mas tentando fechar os espaços. 

A partida foi muito brigada, disputada, com entradas muito fortes.

Não fosse o árbitro Marcelo de Lima Henrique tão condescendente, haveria expulsões.

As chances reais de gol foram raras.

No segundo tempo, no entanto, o São Paulo desperdiçou duas oportunidades excelentes.

A primeira com Brenner, que não conseguiu completar uma linda tabela entre Daniel Alves e Luciano. A segunda, com Luciano que, cara a cara com Vanderlei, chutou por cima.

Diego Souza foi o jogador mais objetivo da partida. E conseguiu marcar um gol acrobático

Diego Souza foi o jogador mais objetivo da partida. E conseguiu marcar um gol acrobático

Divulgação/Grêmio

O castigo veio no gol de Diego Souza.

Renato tratou de fazer de tudo para segurar a vantagem.

Travou Reinaldo, o desafogo são-paulino.

E ainda viu Ferreirinha e Pepê desperdiçarem contragolpes importantes.

O São Paulo seguiu dominando a bola.

Mas esbarrando na ótima marcação gremista.

Na última oportunidade do empate, Brenner cabeceou.

E Vanderlei espalmou para fora, aos 48 minutos.

Fernando Diniz irritado. Seu time foi melhor do que o Grêmio. Mas faltaram os gols

Fernando Diniz irritado. Seu time foi melhor do que o Grêmio. Mas faltaram os gols

Rubens Chiri/São Paulo

O Grêmio segurou o resultado importantíssimo.

Recuperou sua confiança.

E o time do São Paulo sabe.

Há condições de derrotar o Grêmio, no Morumbi.

A luta para chegar à final da Copa do Brasil está aberta.

Hulk, filhos e atual esposa Camila passam férias em paraíso na Paraíba

Últimas