Cosme Rímoli Da favela, não há treino secreto do Brasil de Tite, na Granja Comary

Da favela, não há treino secreto do Brasil de Tite, na Granja Comary

As grades de ferro são inúteis. Da favela Santa Cecília, é possível ver o time e as jogadas. Fora a neblina. A Granja Comary é inviável como concentração

Granja Comary

Do alto, da favela Santa Cecília, não há segredo. Tite não tem como esconder time

Do alto, da favela Santa Cecília, não há segredo. Tite não tem como esconder time

Cosme Rímoli - 20.5.2018

Teresópolis.

Será o mais curto período que a Seleção Brasileira usará a Granja Comary como local de treinos para uma Copa do Mundo.

Apenas seis dias.

Dois deles só para exames médicos. 

Ou seja, só quatro com os jogadores no gramado.

E há um motivo muito sério para isso.

Ela se tornou um imenso elefante branco. 

Pior, uma armadilha para os treinadores que assumem a Seleção e são obrigados a utilizá-la antes de torneios importantes. Principalmente, o maior deles, a Copa do Mundo.

O problema está na origem. O almirante Heleno Nunes era o presidente, em 1978 (vale lembrar que o país estava em plena Ditadura Militar, por isso um almirante comandava o futebol). E ele era muito ligada à família Guinle. E ele resolveu acabar com dois problemas de uma vez.

A então CBD procurava um lugar para a Seleção treinar. Por uma questão de bairrismo, tinha de ser no Rio de Janeiro. O clã Guinle era dono de uma área gigantesca, cerca de 149 mil metros quadrados, em Teresópolis, região montanhosa carioca. E estava em dificuldades financeiras.

O almirante Nunes decidiu. Comprou o terreno enorme, na cidade mais alta do Rio de Janeiro, e decidiu que seria lá que o Brasil iria se preparar para todos os campeonatos importantes que iria disputar. 

Foi um enorme erro, irreparável.

Muita coisa mudou nestes 40 anos.

Quem é o queridinho de Tite entre os 23 jogadores do Brasil na Copa?

Seleção Brasileira se apresentam na Granja Comary, em Teresópolis

O segredo, os treinamentos fechados se tornaram obrigatórios. Trunfos básicos para qualquer técnico disposto a conquistar algo. Principalmente a Copa do Mundo.

Os campos de treinamento são absolutamente vulneráveis. Porque foram construídos em um vale. Cercado de montanhas.  Não existe concentração das principais seleções no mundo que fiquem tão à vista. 

De maneira nada discreta, a Comissão Técnica comandada por Tite resolveu tomar providência. Mandou instalar cercas de três metros de ferro. Elas serviriam como tapume para a imprensa e mesmo para a população que habita ou tem casa, nos condomínios ao lado da concentração.

Tite mandou avisar que, ao contrário de Felipão que foi obrigado a fazer pelo hoje presidiário José Maria Marin, haverá treinamentos fechados para a imprensa. O que é absolutamente normal no mundo todo. O Brasil foi o único país que abriu todos os treinos na Copa de 2014, entre as 32 seleções. Mera bajulação de Marin à TV Globo, que tinha o monopólio da Copa. 

Bastava para os treinadores que enfrentassem o Brasil assistir ao Sportv, emissora a cabo da Globo, e veria tudo sobre o time de Scolari. Movientação dos jogadores. Posicionamento nas jogadas aéreas. Nas cobranças de escanteios ofensivos e defensivos. Os principais cobradores de faltas e pênaltis. Os reservas mais utilizados. Um absurdo.

Essa rotina acompanha a Seleção desde a Copa de 1990. Só não aconteceu em 2006, porque Ricardo Teixeira vendeu a preparação do Brasil para a Copa para uma empresa na Suíça. E o time de Parreira foi treinar, com ingresso pago, com a arquibancada inundada de prostitutas, na inesquecível Weggis.

Tite tratou de ser direto com o coordenador Edu Gaspar. O Brasil iria ter sua fase aguda de preparação em Londres e na Rússia. Seis dias apenas aqui em Teresópolis. O então presidente da CBF, Marco Polo del Nero, aceitou. E mesmo banido do futebol por denúncias de corrupção, suas decisões prevalecem.

Mas nestes seis dias, a começar por amanhã, Tite havia reservado um único treinamento fechado à imprensa. O de sábado de manhã. Já está na programação oficial publicada no site da CBF.

As grades de ferro parecem inexpugnáveis. Não na favela Santa Cecília

As grades de ferro parecem inexpugnáveis. Não na favela Santa Cecília

Cosme Rímoli - 20.5.2018

O técnico contava com as grades de ferro.

Mas se alguém quiser assistir ao treino não será difícil. Basta pegar o carro e subir as vielas da favela Santa Cecília. Na rua Regente Feijó, há excelente ângulo para acompanhar todos os campos.

Primeiro fotografei as grades e depois decidi subir até lá. As favelas crescem de maneira impressionante em Teresópolis. Ganham os morros. E do alto da favela, com meu celular simples, fiz as fotos. 

As grades que eram tão imponentes, na granja Comary, lá do alto, são completamente inúteis. 

Só há uma maneira para que os treinos, de Tite e de quem venha a assumir a Seleção Brasileira, sejam secretos. Cobrir os campos aqui de Teresópolis. O que é completamente inviável. 

O comando da CBF está orgulhosa do 'Centro de Excelência' que inaugurou. Com mais de 80 equipamentos voltados a trabalhos físicos e duas salas de aula para 60 alunos cada, o espaço ocupa 1.700 metros quadrados na Granja Comary. Custou R$ 17 milhões. 

A entidade pode inaugurar fazer o que quiser. Trazer instrutores da NASA para que os jogadores aprendam a flutuar no espaço.

Enquanto os campos forem vulneráveis à observação, não dá para a Granja Comary seja levada a sério como concentração. Basta comparar onde treinam os grades clubes deste país. Em Centro de Treinamento fechados. Os campos não ficam cercados por morros. E de onde um barraco é possível acompanhar cada passo de Tite e de seus jogadores.

Além da favela de Santa Cecília, há várias mansões nas montanhas de Teresópolis que também oferecem a visão dos campos. 

Tite está mais do que certo em ficar pouco tempo por aqui.

Em Londres e na Rússia não haverá como enxergar seus treinamentos fechados.

O que é básico.

Todo ano, a neblina domina Teresópolis. A concentração é caótica

Todo ano, a neblina domina Teresópolis. A concentração é caótica

Reprodução/Youtube

Além dessa exposição absurda, em maio, mês que o Brasil deveria utilizar a concentração para treinar, há uma neblina espessa que domina a cidade. Ao longo da história, vários treinadores brasileiros já foram impedidos de realizar os mais básicos treinamentos nos gramados por causa da neblina. Ninguém enxerga a bola. Felipão passou por esse vexame em 2002 e 2014.

Ou seja, escancarada e dominada pela neblina no mês que antecede a Copa, a Granja Comary é completamente inviável. 

Tite sabe disso.

Aliás, qualquer pessoa de bom senso.

Só que o assunto é proibido.

Tite chegou à concentração neste domingo. Só seis dias na Granja Comary

Tite chegou à concentração neste domingo. Só seis dias na Granja Comary

CBF

A CBF tem um milionário elefante branco nas mãos.

Vai seguir obrigando os treinadores a usá-la.

Para alegria dos sacrificados moradores da favela Santa Cecília.

E de quem quiser observar os treinos secretos da Seleção...

Figurinhas da Copa revelam craques que foram separados no nascimento:

    Access log