Ao revelar ter pedido Rodriguinho, Gabigol e Guedes, Carille se queima

Dirigentes perceberam. O treinador está repassando a culpa pelo fraco futebol do time. Primeiro para os garotos. Agora, à diretoria. Futuro é incerto

Rodriguinho queria voltar. Seria fundamental. Carille pediu. Faltou dinheiro

Rodriguinho queria voltar. Seria fundamental. Carille pediu. Faltou dinheiro

Agência Corinthians

São Paulo, Brasil

Pelo menos caíram as máscaras.

Após o empate vexatório contra o Atlhetico Paranense, quando o Corinthians foi dominado em pleno Itaquerão e deve o 2 a 2 à sorte, Fábio Carille percebeu, de novo, as vaias, os palavrões. 

Veja mais: 'Quem manda (no calendário) é quem paga. É a Globo', diz Andrés

As cobranças pelo péssimo futebol de seu time.

O treinador decidiu deixar claro o que se sabia nos bastidores.

Ele havia avisado a diretoria, principalmente Andrés Sanchez, que o elenco precisava de força ofensiva.

E implorou pela volta de Rodriguinho. Além de Gabigol e Roger Guedes.

Houve contatos superficiais, mas os pedidos não foram efetivamente levados em consideração pelos dirigentes corintianos.

Carille chegou a conversar com Rodriguinho e o meia estava disposto, queria voltar ao Corinthians. Mas o Cruzeiro bancou a compra do jogador por quatro milhões de dólares, em janeiro, cerca de R$ 15 milhões.

A diretoria sabia que não teria como enfrentar os salários de R$ 1,5 milhão que a Inter de Milão exigia a Gabigol e  R$ 1,1 milhão que Roger Guedes embolsa na China.

Inclusive, os dirigentes corintianos sondaram antes o artilheiro que o Flamengo. Mas não houve condições financeiras de fechar a transação.

Veja mais: Cotar Cebolinha a meio bilhão de reais. Doping psicológico do Grêmio

Para Carille, Roger Guedes tem a 'cara do Corinthians', por seu espírito guerreiro, dedicação em campo.

Jogadores importantes e, que se fossem contratados, mudaram o nível de atuação do Corinthians, garantia o técnico.

Só que o clube está vivendo uma das suas maiores crises financeiras. Por conta do Itaquerão. 

O desconforto dos dirigentes é que Carille foi avisado do momento ruim financeiro do Corinthians, antes de acertar o seu retorno. Ou seja, não teria nada para reclamar.

Corinthians chegou antes em Gabigol que o Flamengo. Não teve dinheiro

Corinthians chegou antes em Gabigol que o Flamengo. Não teve dinheiro

alexandre vidal/Flamengo

Os dirigentes já perceberam que o treinador está diferente do seu primeiro período.

Além de arrogante nas coletivas, ele tem repassado a culpa pelo fraco futebol do time. Não assume as críticas.

Primeiro, culpou Pedrinho e Matheus Vital pela queda na Copa Sul-Americana.

Agora repassa as críticas aos dirigentes que não conseguiram contratar.

A sorte é que o nível do futebol brasileiro está péssimo.

Aos trancos e barrancos, o Corinthians está na quarta colocação do Brasileiro, com 43 pontos.

Veja mais: "A lesão na retina foi macumbaria contra mim. Mas Deus me salvou"

O treinador está cumprindo a única missão que Andrés lhe incumbiu: classificar o clube para a Libertadore de 2020, na fase de grupos. Nada de Pré-Libertadores.

E é o que Carille está fazendo.

Sem, brilho, com problemas de relacionamento no elenco, entregando os dirigentes.

A sua situação segue desconfortável.

E será analisada de maneira séria ao final do Brasileiro.

Não há entusiasmo, contentamento dos dirigentes, principalmente de Andrés, em relação ao treinador.

Roger Guedes. Para Carille, um jogador com a 'cara do Corinthians'

Roger Guedes. Para Carille, um jogador com a 'cara do Corinthians'

Palmeiras

Carille já sabe.

E inclusive, seu agente Paulo Pitombeira, sabe que o caminho estará aberto para vários clubes grandes ao final do Brasileiro.

Apesar da quarta colocação no Brasileiro, o clima no Corinthians é pesado.

E com todas indicações de modificações em 2020.

Carille perde apoio a cada dia...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook

'Dança das cadeiras': Brasileirão já teve 16 quedas de técnico em 2019