Cosme Rímoli Ameaça de organizada. Fuga no Galeão. O inferno do Flamengo

Ameaça de organizada. Fuga no Galeão. O inferno do Flamengo

Eliminação da Copa do Brasil, pelo São Paulo, trouxe pressão e cobrança. Acabou a paz. O time de Ceni tem quatro jogos fundamentais em sequência

  • Cosme Rímoli | Do R7

Pressão, tensão na Gávea. Ceni terá de fazer o time reagir na Libertadores e Brasileiro

Pressão, tensão na Gávea. Ceni terá de fazer o time reagir na Libertadores e Brasileiro

Reprodução/São Paulo

São Paulo, Brasil

Eduardo Bandeira de Mello reestruturou financeiramente o Flamengo.

Mas ficou dois mandatos.

Ganhou dois prêmios como o melhor gestor do futebol brasileiro.

Mas dentro de campo, das 24 competições que o time de futebol disputou, ganhou apenas três títulos. Uma Copa do Brasil e dois desvalorizados Cariocas.

Bandeira de Mello sentiu na pele a pressão do clube mais popular do Brasil. Discutiu, quase brigou, reforçou a segurança, fez o time descer em ônibus dentro de pistas de aerportos, para fugir das organizadas.

A pressão foi insuportável e refletiu dentro do campo, com fracassos seguidos.

"Infelizmente tem gente que não reconhece o grande trabalho que fizemos na base. Muitos queriam até acabar com a base. São os mesmos que pagam esses idiotas aí", chegou a desabafar em novembro de 2018,

Além de xingar, Bandeira de Mello fez gestos obscenos, 'deu banana' a torcedores. Seu fim do segundo mandato beirou o insuportável.

O presidente Rodolfo Landim decidiu fazer uma aposta contrária. Com as contas equilibradas, investiu pesado no futebol. Ganhou a Libertadores, o Brasileiro, dois Cariocas e o apoio da torcida.

Que ele pensou ser irrestrito.

Não é.

A prova foi ontem.

Logo após a eliminação da Copa do Brasil, sendo goleado pelo São Paulo, por 3 a 0.

Vitinho tomou a bola de Everton Ribeiro. Bateu o pênalti longe. E o comando de Ceni?

Vitinho tomou a bola de Everton Ribeiro. Bateu o pênalti longe. E o comando de Ceni?

Reprodução/Sportv

Uma das principais organizadas do Flamengo, a Raça Rubro-Negra, avisou pelo Instagram.

"Chegou a hora de acordar, custe o que custar. Quem não pode sangrar é o Flamengo. Como prometido, o apoio foi incondicional. A partir de agora, doa a quem doer, esse time vai jogar.

"Se ainda não entenderam, faremos entender. Se você quer vestir o manto, tenha disposição porque é para quem quer. Se não quer, abraço. A paciência do torcedor se esgotou e não vamos mais aceitar um comportamento incompatível com nosso DNA e que desonre o clube.

"Para bom entendedor, meia palavra basta."

Mal a mensagem foi colocada no ar, mais de cem torcedores foram ao aeroporto do Galeão, esperar o time de Rogério Ceni.

Chegaram dispostos a cobrar pela humilhante derrota no Morumbi, por 3 a 0.

Jogo que o vice-presidente Marcos Braz deixou de ver, ao Vitinho cobrar pênalti longe do gol de Tiago Volpi.

A diretoria foi avisada.

E o time passou por outro vexame.

Saiu pelo terminal de cargas para não encontrar os flamenguistas.

Landim já mandou reforçar a segurança no Ninho do Urubu.

Os jogadores passarão a evitar saídas à noite, mesmo com familiares.

O clube terá o Coritiba, sábado, no Maracanã, pelo Brasileiro.

Na terça, a primeira partida pelas oitavas-de-final da Libertadores, diante do Racing, na Argentina.

Rogério Ceni está morando no CT do Flamengo. Mas o time ainda não reagiu

Rogério Ceni está morando no CT do Flamengo. Mas o time ainda não reagiu

Alexandre Vidal

Depois, na outra quarta-feira, dia 1º de dezembro, o confronto decisivo com os argentinos, no Maracanã, valendo a classificação para as quartas-de-final da Libertadores.

E no sábado, dia 5 de dezembro, o clássico contra o Botafogo, no Engenhão.

Rogério Ceni sabe da necessidade de recuperar o time.

Sob seu comando, só decepções.

Duas derrotas para o São Paulo e um empate contra o Atlético Goianiense.

O clube está há quatro jogos sem uma vitória, igualando o pior momento de 2018.

Ceni terá de se mostrar pronto para enfrentar tanta pressão.

Se impor, assumir o treinador que parecia ser.

Ele sabia que iria encontrar um clube ferido pelo péssimo trabalho de Domènec Torrent.

E que esperava uma reviravolta.

E ela não pode demorar.

A Copa do Brasil já foi embora.

O vice Marcos Braz não viu mais o jogo contra o São Paulo, depois do pênalti de Vitinho

O vice Marcos Braz não viu mais o jogo contra o São Paulo, depois do pênalti de Vitinho

Reprodução/Sportv

Com ela, o clube deixou de faturar R$ 7 milhões, pela eliminação.

Há ainda Libertadores e o Brasileiro.

O sonho pela manutenção da hegemonia nas duas competições.

A reação tem de ser imediata.

Ou Ceni que se prepare.

Seu triste destino no Cruzeiro pode se repetir...

Curta a página do R7 Esportes no Facebook.

Novo Urubu no Flamengo! Veja mascotes “pistolas” dos clubes

Últimas