Cosme Rímoli Afobado, São Paulo perde dois pontos.1 a 1 com o limitado Vasco

Afobado, São Paulo perde dois pontos.1 a 1 com o limitado Vasco

O time de Fernando Diniz não conseguiu superar a ótima marcação articulada por Ricardo Sá Pinto. O São Paulo perdeu dois pontos fundamentais

  • Cosme Rímoli | Do R7

Cano marcou para o Vasco. Depois, o time de Fernando Diniz, afobado, só empatou

Cano marcou para o Vasco. Depois, o time de Fernando Diniz, afobado, só empatou

Vasco

São Paulo, Brasil

O São Paulo perdeu uma chance preciosa.

Bastasse vencer o limitado Vasco, em pleno Morumbi, para chegar a uma posição privilegiada.

Chegar nos mesmos 39 pontos do líder do Brasileiro, Atlético Mineiro.

Mas com três partidas a menos.

E chegar a sétima vitória consecutiva.

Só que o mesmo time que eliminou o Flamengo da Copa do Brasil foi afobado, nervoso, sem convicção nas finalizações.

Correu errado, se cansou.

Não buscou jogadas de linha de fundo.

Afunilou o jogo, levou a bola para o meio, facilitando para o Vasco, que lutava para sair da zona do rebaixamento.

E mesmo tendo 68% de posse de bola, o time acabou travado pela fortíssima marcação articulada pelo português Ricardo Sá Pinto.

O Vasco atuou no 3-5-2. 

Fechou a intermediária.

Forçou o São Paulo a tocar a bola longe da sua área.

E não se esforçou muito segurar o 1 a 1 e sair da zona do rebaixamento.

Prejuízo total para o time de Fernando Diniz, que parou nos 37 pontos.

Dois pontos fundamentais desperdiçados.

Em casa.

Péssimo para o clube que sonha com o título, para acabar com oito anos de jejum, sem conquistas.

Vale destacar as fracas atuações de Daniel Alves e Reinaldo. Os dois se esforçaram muito contra o Flamengo e não conseguiram mostrar a mesma força física hoje.

Foram facilmente anulados.

O Vasco, inclusive, no primeiro tempo, conseguiu ótimos contragolpes.

Explorando as costas da defesa paulista, toda adiantada, como previu o técnico vascaíno.

Coube a Torres, aos 18 minutos de jogo, fazer um ótimo lançamento para Cano, que aproveitou bobeada de Bruno Alves, que demorou para forçar o impedimento.

O argentino se aproveitou muito bem e, na saída de Volpi, chutou forte, cruzado.

1 a 0, Vasco.

O São Paulo não esperava o Vasco tão aplicado.

Diniz adiantou ainda mais seu time.

No planejamento do clube, a vitória era fundamental. Até para seguir com a confiança que eliminar o Flamengo na Copa do Brasil trouxe ao Morumbi.

Só que faltava consciência ao time.

Daniel Alves, 37 anos, cansado, e muito bem marcado. Acabou anulado

Daniel Alves, 37 anos, cansado, e muito bem marcado. Acabou anulado

Rubens Chiri/São Paulo

Daniel Alves se mostrava lento, errando passes, chegando atrasado nas divididas. E irritado. Cansado. Seus 37 anos cobravam o esforço na quarta-feira, contra o Flamengo.

Assim como Reinaldo. Aos 31 anos, ele é o maior desafogo do time de Diniz. Tem sido assim toda a temporada. Não é para menos que, em alguns jogos, não consiga render o que se espera.

Como aconteceu hoje.

O São Paulo só conseguiu empatar graças a uma falha individual.

Jadson demorou para tirar a bola da área vascaína.

Quando tentou, errou, a bola foi parar nos pés de Luciano, que estufou as redes.

1 a 1, aos 33 minutos.

O São Paulo teve mais uma hora para virar o placar. Conseguir a vitória que era obrigatória.

Gabriel Sara muita correria. Pouquíssima produtividade. Foi travado pelo Vasco

Gabriel Sara muita correria. Pouquíssima produtividade. Foi travado pelo Vasco

Miguel Schincariol/São Paulo

Só que seguiu esbarrando na aplicação fora do comum dos vascaínos.

Sem espaço para tocar a bola ou explorar contragolpes, o São Paulo sofreu.

Não tem um jogador com o drible como talento.

Gabriel Sara e Igor Gomes não tinham como servir Luciano e Brenner, desesperados, na frente.

Luciano voltava até a intermediária do São Paulo para buscar a bola, tamanha a sua aflição.

Um desperdício absurdo foi Diniz perder 45 minutos com Juanfran. Lateral espanhol que, no seu auge físico, jamais apoiou. Não seria agora, que aos 35 anos, conseguiria ajudar a romper um forte esquema defensivo.

Tchê Tchê entrou no segundo tempo na vaga de Juanfran. E Vitor Bueno na de Luan. E o São Paulo partiu de vez, tentado a vitória.

Mas o Vasco foi valente.

E a bem da verdade, Lucão só fez uma grande defesa.

No primeiro minuto, Brenner aproveitou raríssimo descuido da zaga vascaína. E cara a cara com Lucão, tentou deslocar o goleiro. Mas ele, com muito reflexo, salvou com o pé esquerdo.

E foi só.

São Paulo foi uma grande decepção no Morumbi. Perdeu o embalo contra o Vasco

São Paulo foi uma grande decepção no Morumbi. Perdeu o embalo contra o Vasco

Miguel Schincariol/São Paulo

No mais, só muita afobação, tensão, falta de concentração do São Paulo.

E firmeza vascaína em segurar o 1 a 1.

Dois pontos preciosos desperdiçados pelo time de Diniz.

Não há comparação entre os dois elencos.

Ricardo Sá Pinto fez toda a diferença...

Últimas