Coronavírus

Cosme Rímoli A revolta de Weverton. Torcedores no estádio em plena pandemia

A revolta de Weverton. Torcedores no estádio em plena pandemia

Protocolo da CBF é claro. Os jogos no Brasil devem acontecer sem público. Mas havia cerca de 150 'convidados' liberadores pela CBF

  • Cosme Rímoli | Do R7

Weverton revoltado com 'convidados' da CBF. Em plena pandemia, torcida no estádio

Weverton revoltado com 'convidados' da CBF. Em plena pandemia, torcida no estádio

Reprodução/Sportv

São Paulo, Brasil

"É feio isso, né?"

"Tão ali xingando."

"Não sei quem convidou tanta gente pra estar aqui hoje..."

"A gente está no meio de uma pandemia."

O desabafo foi de Weverton.

O goleiro do Palmeiras, que foi um dos melhores em campo, na decisão da Supercopa do Brasil, não escondia sua frustração, ao final do jogo.

Não só pela derrota nos pênaltis.

Mas pelos palavrões que teve de ouvir vindo das arquibancadas do estádio Mané Garrincha.

A CBF permitiu que cerca de 150 convidados tivessem acesso ao jogo de hoje.

Weverton estava ainda se queixando sobre os convidados, quando seu áudio sumiu, na entrevista que dava ao SporTV.

Mas o que se pôde ouvir já foi revoltante.

A CBF confirmou a jornalistas que estavam em Brasília que liberou 'alguns convidados' dos clubes e da própria entidade para acompanharem à decisão.

Em plena pandemia.

Não bastasse essa liberação, a própria TV Globo se queixou.

Durante o jogo houve uma forte discussão entre o auxiliar de Abel Ferreira, expulso da partida, e membros da diretoria do Flamengo. A confusão aconteceu nos vestiários.

A CBF, que estava à frente da transmissão, não mostrou imagens da discussão, que acabou com os jogadores reservas dos dois times correndo para o túnel.

De acordo com a ESPN, a situação foi lastimável.

O auxiliar João Martins provocou o vice-presidente do Flamengo, Marcos Braz.

"Levem logo a taça", teria dito.

Braz respondeu aos berros.

Assuim como o diretor executivo de futebol do Flamengo, Bruno Spindel.

Que xingou Martins.

Foi quando os seguranças dos dois clubes entraram em ação.

Provocando enorme confusão.

Ainda de acordo com a ESPN, um segurança do Palmeiras acertou dois socos em Marcos Braz, que teria ido ao chão com os golpes.

A briga foi evitada.

Mas a situação foi caótica.

Que a transmissão da CBF não colocou no ar.

Uma postura inaceitável.

Esconder.

Tentar maquiar o que acontece.

Como os convidados no estádio.

Em plena pandemia.

Com o protocolo da CBF defendendo jogos sem público.

Inacreditável...

WNBA ganha uniformes com mensagens de empoderamento

Últimas