Blog do Fabiano Farah Santos aumenta proposta, Carille diz 'sim' e clube estuda como pagar multa milionária

Santos aumenta proposta, Carille diz 'sim' e clube estuda como pagar multa milionária

Os novos dirigentes do Peixe contam com a ajuda de representantes do treinador para o acerto com o V-Varen Nagasaki

Carille continua a ser a aposta do Santos para 2024

Carille continua a ser a aposta do Santos para 2024

Ivan Storti/Santos FC

O Santos Futebol Clube confia nos empresários de Fábio Carille para ter o treinador novamente na Vila Belmiro. O técnico resolveu dizer "sim" a uma nova proposta do Santos, que inclui salários mais altos e dois anos de contrato, com multa milionária.

Integrantes do comitê de transição do futebol profissional já haviam desistido de Carille e queriam manter contato com Léo Condé, que conquistou o acesso à Série A pelo Vitória da Bahia, mas o assunto foi vetado por Gallo.

Marcelo Teixeira, presidente eleito, ligou para Fábio Carille mais algumas vezes durante esta sexta (15) e convenceu o técnico, que já dirigiu o Peixe, entre 2021 e 2022, a "ser fundamental no projeto de reconstrução".

O empresário Paulo Pitombeira, representante de Carille, vai ajudar os novos dirigentes do Peixe na tentativa de parcelar a multa rescisória de US$ 1,5 milhão (R$ 7,5 milhões) com o V-Varen Nagasaki, do Japão, o time atual do treinador.

Marcelo Teixeira pode tirar do próprio bolso o dinheiro para fechar negócio com os japoneses. Ele tomará posse simbólica no conselho deliberativo do Santos na próxima terça (19) e já quer anunciar o nome do novo comandante.

Teixeira anda furioso com o início do trabalho do futebol no clube e teria cobrado mais ações emergenciais para iniciar 2024 com força. Por isso, entrou no circuito para reverter a decisão de Carille.

O Santos está sem moral no mercado da bola. Gallo garante que o Peixe terá um novo técnico em pouco tempo. O fim de semana promete ser quente para os membros da transição do futebol do Santos.

Após rebaixamento do Santos, Vila Belmiro amanhece com ônibus e carros destruídos

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas