Novo Coronavírus

Esportes Pandemia cancela cerca de metade dos eventos esportivos do ano

Pandemia cancela cerca de metade dos eventos esportivos do ano

Informação foi obtida em pesquisa e, ainda que os números de casos sejam reduzidos, o impacto da pandemia será sentido por algum tempo

Agência Estado - Esportes
Futebol também está parado no momento

Futebol também está parado no momento

Massimo Pinca Reuters - 11.3.2020

Eventos esportivos do mundo todo estão em hiato desde aproximadamente a metade de março, mas ainda que os números de casos sejam reduzidos, o impacto da pandemia do novo coronavírus no setor será sentido por algum tempo. Pesquisa aponta que apenas 53% das principais programações esportivas para 2020 provavelmente ocorrerão neste ano.

Leia mais: Torcedores sofrem sem futebol: 'Sinto falta até de xingar o juiz'

Segundo um estudo feito pela agência de marketing esportivo norte-americana Two Circles, somente 26.424 atividades esportivas serão concluídas até o fim de 2020, com a possibilidade de que mais sejam canceladas conforme a covid-19 se espalhar globalmente. Antes havia aproximadamente 48.803 eventos esportivos agendados para este ano - levando em conta aqueles considerados profissionais e competitivos com uma participação projetada de pelo menos 5 mil pessoas.

Devido à interrupção abrupta, a indústria global esportiva irá render apenas R$ 392 bilhões (US$ 73,7 bilhões) em receitas em 2020. Isso representa cerca de R$ 328 bilhões (US$ 61,6 bilhões) a menos do projetado antes da pandemia da covid-19. Para efeitos de comparação, em 2019, este mesmo setor da indústria gerou R$ 686 bilhões (US$ 129 bilhões) em receita e estava prevendo um crescimento em 4,9% ano a ano.

As projeções de receita, de acordo com a agência, são receitas acumuladas geradas por donos de direitos esportivos profissionais por meio de seus negócios durante o dia do evento e pela venda de direitos de transmissão e patrocínios.

Apesar do cenário bastante desfavorável, um dos responsáveis pela Two Circles se mostrou confiante numa recuperação do setor. "Comparado à maioria das outras indústrias, nos últimos tempos de adversidade econômica, o esporte provou ser resistente à recessão", disse em comunicado Gareth Balch, CEO da agência que fez o levantamento.

"Embora o esporte ao vivo esteja interrompido, todos os cantos da indústria do esporte continuarão sentindo essa dor financeira significativa, mas estamos certos de que ele retornará, seja a portas fechadas ou com casas cheias, a economia esportiva prosperará mais uma vez", afirmou Balch.

Alguns países parecem acenar com a possibilidade da volta de alguns eventos esportivos, como o futebol, a modalidade mais popular do planeta. O Campeonato Alemão, por exemplo, já começou o retorno aos treinamentos aos poucos e a previsão é a volta da competição em maio, mesmo que seja com os portões fechados e sem público presente. Países como Coreia do Sul e Austrália são outros que estudam a volta dos torneios sem torcedores, pois os números de casos de coronavírus continuem diminuindo.

Veja também: Astros do futebol ajudam no combate ao coronavírus

A agência Two Circles trabalha diretamente com mais de 300 organização esportivas ao redor do mundo, incluindo a Premier League (responsável pelo Campeonato Inglês), a Liga de Futebol Profissional (que organiza o Campeonato Francês) e o torneio de Wimbledon.

País do futebol? Estrelas mundiais se encantam por clubes brasileiros

Últimas