Tóquio 2020

Olimpíadas Vôlei de praia tem duelo Brasil x Argentina nesta sexta em Tóquio

Vôlei de praia tem duelo Brasil x Argentina nesta sexta em Tóquio

Alison e Álvaro Filho jogam às 22h; depois é a vez de Agatha e Duda; russos noruegueses e canadenses ameaçam hegemonia

  • Olimpíadas | Do R7, com informações da AFP

Alison e Álvaro Filho em treino em Tóquio

Alison e Álvaro Filho em treino em Tóquio

Júlio César Guimarães/COB

No vôlei de praia, o domínio do Brasil e dos Estados Unidos, que conquistaram nove dos 12 títulos desde a introdução da modalidade no programa olímpico há 25 anos, corre perigo em Tóquio 2020. Duplas da Rússia e da Noruega, no masculino, e do Canadá, no feminino, podem surpreender. O torneio olímpico de vôlei de praia começa para o Brasil às 22h desta sexta-feira (23) com confrontos entre brasileiros e argentinos.

Veja os jogos do Brasil no vôlei de praia

Sexta-feira (23)
22h - Alison e Álvaro Filho (BRA) x Azaad e Capogrosso (ARG)
23h - Agatha e Duda (BRA) x Gallay e Pereira (ARG)

Sábado (24)
23h – Evandro/Bruno Schmidt (BRA) x M. Grimalt/E. Grimalt (CHI)

Domingo (25)
23h – Ana Patrícia/Rebecca (BRA) x Makokha/Khadambi (QUE)

Dupla campeã se separou

Vencedores da medalha de ouro na Rio 2016, na praia de Copacabana, Alison e Bruno Schmidt serão adversários desta vez no Japão, onde o clima será o oposto do litoral carioca. 

Seus novos companheiros serão Álvaro Filho e Evandro com quem ficaram longe do pódio no mundial de 2019, vencido pelos russos Viacheslav Krasilnikov e Oleg Stoyanovskiy. 

Também não estão entre os quatro primeiros do ranking mundial, dominado nesta temporada pelos noruegueses Anders Mol e Christian Sorum. 

Rússia e Noruega

A globalização do vôlei de praia pode ultrapassar um marco em Tóquio, já que Rússia e Noruega nunca conquistaram uma medalha neste esporte nas Olimpíadas. 

Os Estados Unidos, outra nação com tradição nesta modalidade que apareceu nos Jogos de Atlanta de 1996, apostam na dupla formada por Jacob Gibb e Taylor Crabb, quarto colocada no mundial, para ficar com o título após duas edições sem medalhas. 

Entre as mulheres, a alemã Laura Ludwig, medalhista de ouro no Rio de Janeiro, vai em busca do bicampeonato olímpico com uma nova parceira, Maggie Kozuch. 

Agatha e Duda

Já o Brasil aposta em Agatha e Duda, líderes do ranking mundial, para subir no degrau mais alto do pódio na capital japonesa. Mas as duas terão que passar pelas favoritas canadenses Sarah Pavan e Melissa Humana-Paredes, atuais campeãs mundiais. 

Para resgatar o reinado de Kerri Walsh e Misty May-Treanor, medalhas de ouro em Atenas-2000, Sydney-2004 e Londres-2012, os americanos têm como fortes representantes Alix Klineman e April Ross, vice-campeãs mundiais.

Últimas